São Paulo Sabesp suspende consumo mínimo de empresas

Sabesp suspende consumo mínimo de empresas

Comércio e indústria foram chamados a ajudar na tentativa de evitar o racionamento 

Sabesp suspende consumo mínimo de empresas

A represa Jaguari faz parte do Sistema Cantareira

A represa Jaguari faz parte do Sistema Cantareira

Reprodução/Sabesp

Além dos 8,8 milhões de moradores da Grande São Paulo que receberam estímulo com desconto na conta para economizar água, a Sabesp (Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo) apelou para uma carteira especial de clientes.

Comércio e indústria que consomem mais de 500 mil litros por mês foram chamados a ajudar na tentativa de evitar o racionamento generalizado na Região Metropolitana por causa da seca histórica do Sistema Cantareira. S

ão fábricas, shoppings, supermercados, hotéis e outros grandes estabelecimentos que mantêm contratos específicos com a Sabesp para consumir um volume mínimo de água por mês em troca de tarifas mais baixas. Na prática, quanto maior o consumo, menor o valor do metro cúbico cobrado. Mas, se a empresa não atinge o gasto mínimo dentro da faixa de consumo escolhido, ela é obrigada a pagar pelo volume total.

Após chuvas, nível do sistema Cantareira sobe para 16%

Por causa da seca no Cantareira, a Sabesp suspendeu a exigência de consumo mínimo para esse grupo, chamado de clientes de demanda firme. Com isso, as empresas e indústrias que mantêm esse tipo de contrato, que têm duração de um ano e são renováveis, podem diminuir o consumo de água para um volume abaixo do mínimo acordado sem ter prejuízo financeiro.

A medida foi adotada pela Sabesp no início do mês passado, juntamente com o plano de bônus para os moradores da Grande São Paulo, que dá até 30% de desconto na fatura para quem economizar ao menos 20% de água no mês. O prazo de duração também é o mesmo: até setembro ou até a normalização do Cantareira.

Com o bônus, a Sabesp disse que a população diminuiu a demanda de água em 2,4 mil litros por segundo, volume suficiente para atender mais de 800 mil pessoas - a população de São Bernardo do Campo. A companhia, contudo, não informou nem o número de clientes de demanda firme nem o volume de água que teria sido economizado por eles.

Para um cliente assinar esse tipo de contrato é preciso que o imóvel seja um comércio ou uma indústria, com volume médio de água nos últimos 12 meses igual ou superior a 500 mil litros e este consumo seja mantido durante a vigência do contrato. Ao todo, são sete faixas de consumo oferecidas. Para quem gasta mais de 40 milhões de litros por mês, por exemplo, a tarifa é 34% mais barata do que para quem consome 500 mil litros mensais.

Segundo a Sabesp, todos os clientes de demanda firme "foram visitados pessoalmente e receberam orientações para evitar o desperdício e contribuir para a redução de consumo" desde fevereiro. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Leia mais notícias de São Paulo

    Access log