São Paulo amplia testagem do novo coronavírus em áreas vulneráveis

Serão aplicados 3,5 mil testes rápidos para identificar quem já produziu anticorpos para o vírus. Projeto começa na União de Vila Nova, na zona leste 

SP vai ampliar testagem em áreas vulneráveis

SP vai ampliar testagem em áreas vulneráveis

MATEUS BONOMI AGIF / AGÊNCIA DE FOTOGRAFIA / ESTADÃO CONTEÚDO

Em parceria com a prefeitura da capital, o governo de São Paulo vai ampliar a testagem do novo coronavírus em pessoas que vivem nas regiões mais vulneráveis da cidade. Segundo o governo paulista, inicialmente, serão aplicados 3,5 mil testes rápidos para identificar as pessoas de tais comunidades que já produziram anticorpos para o vírus.

Leia também: SP registra queda de mortes por covid-19 pela 3ª semana seguida

O projeto terá início no bairro União de Vila Nova, que fica no distrito da Vila Jacuí, na zona leste da capital. Os testes rápidos serão aplicados nesta terça (14) e na sexta-feira (17). A pessoa que tiver o diagnóstico positivo será submetida ao exame de RT-PCR, que indica se o vírus está ativo. Os moradores infectados pelo coronavírus serão encaminhados para a unidade  básica de saúde (UBS) da região.

Veja também: Com shoppings vazios, comerciantes abrem lojas e ganham R$ 50 por dia

As áreas onde serão feitos os testes foram identificadas por meio do Mapa de Comportamento da Covid-19, uma ferramenta de georreferenciamento criada pela Secretaria de Habitação e que, a partir do cruzamento de dados socioeconômicos, epidemiológicos e territoriais, vão orientar o programa de testagem. “O objetivo do mapa é poder entender como o vírus está caminhando”, disse o secretário estadual da Habitação, Flávio Amary.

O Mapa de Comportamento da Covid-19 identifica, por meio de ondas de calor,  áreas de maior ou menor incidência do vírus. “Trata-se de uma nova ferramenta que mapeia o comportamento do coronavírus e identifica, com precisão, a incidência dele sobre as áreas mais carentes e vulneráveis, como comunidades, cortiços, comunidades indígenas e quilombolas", disse o governador de São Paulo, João Doria.