São Paulo registra duas mortes por reação à vacina da febre amarela

Cerca de 1,8 milhão de pessoas foram vacinadas em São Paulo, em média 1 para cada 900 mil vacinados podem desenvolver alguma reação à vacina

Duas pessoas morreram na capital por reação à vacina da febre amarela, informou nesta sexta-feira, 19, a Secretaria Municipal da Saúde de São Paulo. Como o imunizante é produzido com o vírus vivo atenuado, há risco mínimo de uma pessoa vacinada desenvolver a doença mesmo sem ser picada pelo mosquito. Esse tipo de morte, no entanto, é raro: um caso a cada 500 mil pessoas vacinadas.

Considerando o volume de pessoas vacinadas na capital paulista desde outubro - cerca de 1,8 milhão de pessoas - o índice de óbitos por reação vacinal registrado na cidade - 1 para cada 900 mil vacinados - está inferior ao previsto na literatura médica.

"Mesmo que raro, existe um potencial de eventos adversos graves. Isso acontece em um caso a cada 500 mil. Se vamos aplicar dez milhões de doses, vamos esperar esses eventos adversos nessa proporção. Isso é esperado e, mundialmente, aceito. Mas o número de casos prevenidos será muito maior do que os eventos graves associados à vacinação", diz Renato Kfouri, vice-presidente da Sociedade Brasileira de Imunizações (SBIm).

Segundo o especialista, tem maior risco de desenvolver reação idosos com doenças crônicas, gestantes, transplantados e pacientes com o sistema imunológico enfraquecido, como os submetidos à quimioterapia. "Por isso, precisa ter uma entrevista, uma triagem para não vacinar quem não pode ser vacinado. É uma vacina que tem de ter precauções, não é isenta de riscos. Essa é a única razão pela qual a gente não aplica a vacina no País todo", destaca Kfouri.

Fila para vacina contra febre amarela em São Paulo

Fila para vacina contra febre amarela em São Paulo

Nilton Cardin/Folhapress - 19.01.2018

Uma das vítimas da reação foi uma idosa de 76 anos, moradora de Ibiúna, no interior de São Paulo, mas que foi transferida para a capital quando seu quadro se agravou. Por essa razão esta morte está sendo contabilizada nos registros de São Paulo. A secretaria não divulgou detalhes sobre a outra vítima.

A Secretaria Estadual da Saúde ainda confirmou que "foram notificadas cinco mortes por suposta Doença Viscerotrópica pelo vírus vacinal: uma foi confirmada; uma, descartada e outras três estão em investigação. Todas as notificações são de moradores do município de São Paulo". 

A pasta destacou também que  "a reação à vacina é rara e, de acordo com a literatura médica, pode atingir uma (1) a cada 500 mil pessoas que tomaram a dose. A resposta negativa do organismo é causada por uma deficiência imunológica, que faz com que a pessoa, ao ser vacinada, acabe desenvolvendo a doença sem ter sido contaminada pelo mosquito transmissor".