São Paulo São Paulo tem protestos após morte de João Alberto em supermercado

São Paulo tem protestos após morte de João Alberto em supermercado

Manifestantes se concentraram no vão do Masp, na avenida Paulista, um dia depois de homem negro ser morto dentro de um Carrefour no RS

  • São Paulo | Carolina Lopes, da Agência Record

Protesto na avenida Paulista pede justiça por morte de homem negro

Protesto na avenida Paulista pede justiça por morte de homem negro

AGATHA GAMEIRO/FRAMEPHOTO/ESTADÃO CONTEÚDO

Manifestantes realizam ato na avenida Paulista, no centro de São Paulo, na tarde desta sexta-feira (20), contra o caso de João Alberto Silveira Freitas, homem negro morto após ser espancado por dois seguranças em um supermercado da rede Carrefour, em Porto Alegre (RS), na noite da última quinta-feira (19).

Imagens flagradas pelo helicóptero da Record TV mostram o grupo concentrado em frente ao Masp (Museu de Arte de São Paulo Assis Chateaubriand). Eles estendem cartazes e proferem gritos de ordem, pedindo justiça por João Alberto, acompanhados de um carro de som. O protesto acontece durante o Dia da Consciência Negra.

Segundo informações da sala de imprensa da Polícia Militar, que acompanha ato, os manifestantes se concentraram por volta das 16h e caminham em direção à uma unidade do mercado Carrefour localizada na Avenida Brigadeiro Luís Antônio.

Duas faixas da avenida, sentido centro, estão bloqueadas.

Protesto em Osasco

Um segundo protesto acontece em Osasco, na região metropolitana de São Paulo. Os manifestantes se concentram, desde às 17h50, em frente a uma loja do supermercado Carrefour na avenida dos Autonomistas.

Os atos acontecem durante o Dia da Consciência Negra.

Carrefour

Em nota, o Carrefour declara o seguinte:

"O Carrefour informa que adotará as medidas cabíveis para responsabilizar os envolvidos neste ato criminoso. Também romperá o contrato com a empresa que responde pelos seguranças que cometeram a agressão. O funcionário que estava no comando da loja no momento do incidente será desligado. Em respeito à vítima, a loja será fechada. Entraremos em contato com a família do senhor João para dar o suporte necessário.

O Carrefour lamenta profundamente o caso. Ao tomar conhecimento deste inexplicável episódio, iniciamos uma rigorosa apuração interna e, imediatamente, tomamos as providências cabíveis para que os responsáveis sejam punidos legalmente. Para nós, nenhum tipo de violência e intolerância é admissível, e não aceitamos que situações como estas aconteçam. Estamos profundamente consternados com tudo que aconteceu e acompanharemos os desdobramentos do caso, oferecendo todo suporte para as autoridades locais."

Últimas