São Paulo vai receber 3.000 respiradores importados da China

Segundo governador do estado, João Doria, equipamentos tiveram custo de R$ 550 milhões; os primeiros 500 aparelhos chegam ainda esta semana

Respiradores vão ampliar capacidade das UTIs no estado

Respiradores vão ampliar capacidade das UTIs no estado

Roberto Casimiro/Fotoarena/Estadão Conteúdo - 14.4.2020

O governador de São Paulo, João Doria, anunciou nesta quarta-feira (29) que o estado receberá, ainda esta semana, os primeiros 500 de 3.000 respiradores comprados da China.

O custo, segundo ele, foi de R$ 550 milhões. "[Os equipamentos] foram comprados no exterior dentro das regras e critérios de compra estabelecidos para um momento de emergência como este."

Os aparelhos vão ser distribuídos nos hospitais públicos de todo o estado de São Paulo e estarão à disposição, de acordo com Doria, no fim de semana, para o tratamento de pacientes com quadros graves de covid-19.

Os primeiros respiradores serão destinados para a ampliação das unidades de terapia intensiva dos Hospitais das Clínicas e nos demais hospitais municipais da capital, em parceria com a prefeitura.

O prefeito da capital, Bruno Covas, lembrou que a prefeitura vai entregar 1.337 leitos de UTI para covid-19, sendo que 563 já estão habilitados. Além disso, a cidade está abrindo 2.230 vagas em enfermaria, das quais 1.187 já estão em operação. 

Posteriormente, cidades do interior também terão ampliação dos leitos de UTI com a chegada dos novos aparelhos. 

Toda semana, até o começo de junho, serão entregues respiradores desse lote adquirido na China.

O vice-governador do estado e secretário de Governo, Rodrigo Garcia, afirmou que a compra foi feita em março, após o Ministério da Saúde requisitar exclusividade na compra dos respiradores produzidos em todo o território nacional.

"Dado este impedimento, o estado abriu suas compras com o mercado internacional. Oito fornecedores apresentaram suas propostas, e aquela que era adequada pelo momento da epidemia e pelos equipamentos aprovados da saúde foi a que foi escolhida pela Secretaria da Saúde de São Paulo."

Garcia ressaltou que há uma corrida mundial pela compra desse tipo de aparelho.

"É natural que a aquisição hoje de insumos, principalmente respiradores, para a área de combate ao coronavírus está extremamente difícil, pela alta demanda do mundo em relação a isso. É com respiradores, EPIs [equipamentos de proteção individual], todos os insumos e testes relacionados ao coronavírus. Com respiradores, não foi diferente. Conseguimos identificar um fornecedor na China que entregava os respiradores no tempo necessário."

O coordenador do Centro de Contingência do Coronavírus no estado, o médico David Uip, acrescentou que "é um número importantíssimo [de respiradores] e no tempo adequado".