São Paulo Seis PMs são acusados de chacina na Grande São Paulo; menor foi executado

Seis PMs são acusados de chacina na Grande São Paulo; menor foi executado

Corpos foram encontrados em Itaquaquecetuba e Mogi das Cruzes, locais que não faziam parte da área de patrulha da viatura

Seis PMs são acusados de chacina na grande São Paulo

Em 2012, 358 policiais foram expulsos da PM por desvio de conduta

Em 2012, 358 policiais foram expulsos da PM por desvio de conduta

EDISON TEMOTEO/ESTADÃO CONTEÚDO

A Corregedoria da Polícia Militar do Estado de São Paulo prendeu seis PMs envolvidos no caso do desaparecimento de dois homens e um menor de idade no dia 26 de dezembro de 2012. A corregedoria investiga a possível execução dos três por um oficial, um sargento e quatro soldados da corporação.

De acordo com o major Marcelino Fernandes da Silva, chefe do departamento técnico da corregedoria, as investigações começaram após a denúncia feita pelo pai de Fernando Ferreira Ribeiro, de 16 anos, depois que o corpo de seu filho foi localizado em Mogi das Cruzes, no interior de São Paulo.

Os 6 PMs são acusados de abordar um Corsa no último dia 25 de dezembro fora da região de patrulhamento deles, em Itaquaquecetuba. As imagens das câmeras do terminal rodoviário Pedro Fava, em Poá, na Grande São Paulo, mostram que a viatura abordou os suspeitos e, em seguida, os policiais levaram todos no camburão. Alguns dos PMs entraram no Corsa, que foi encontrado no dia seguinte em Arujá.

Leia mais notícias de São Paulo

Os corpos dos irmãos Thiago Rodrigues Alves e Alan Rodrigues Alves foram encontrados em Itaquaquecetuba. De acordo com a perícia, penas de urubu foram encontradas ao redor dos corpos carbonizados, o que indica que foram primeiramente executados e, dias depois, queimados.

Fernando Ferreira foi morto com dois tiros na nuca. Não há indícios de que os suspeitos estivessem armados. Um dos irmãos, Alan Rodrigues Alves tinha sido preso por tráfico de drogas e estava em liberdade condicional.

O major explica que ainda não se sabe exatamente a sequência da execução, mas as investigações continuam. Colegas dos suspeitos executados são ouvidos pela polícia na noite desta sexta-feira (4), informa o major Marcelino.

— O que temos é a abordagem, que estava errada. Seria uma ação desastrosa, pois eles [policiais] dizem que foram fazer a abordagem de rotina, mas ficaram mais de 40 minutos lá, o que não é normal.

Publicitário foi assassinado por PMs em São Paulo

Os policiais negam as acusações, porém, não justificam o fato de estarem fora da área de patrulha e tampouco a forma de abordagem, segundo o major.

— Os suspeitos deveriam ter sido encaminhados à delegacia.

Um dos oficiais, cujos nomes estão em sigilo, soma três ocorrências de morte em suas ações desde 2008. Em 2012, 358 policiais foram expulsos da PM por desvio de conduta.

Ainda de acordo com o major, mais policiais podem estar envolvidos no caso.

— O que temos para falar para as famílias e para a sociedade é que temos que prender, e não matar.

Veja mais notícias na nova home do Portal R7

    Access log