Coronavírus

São Paulo Serrana (SP) vacinará população em ondas e por bairros, diz governo

Serrana (SP) vacinará população em ondas e por bairros, diz governo

Estudo tem objetivo de medir redução de casos graves de covid-19, bloqueio de transmissão e efeitos indiretos da transmissão do vírus

  • São Paulo | Do R7

Projeto S escolhe cidade de Serrana (SP) para vacinação em massa

Projeto S escolhe cidade de Serrana (SP) para vacinação em massa

Reprodução Facebook

A população do município de Serrana, no interior de São Paulo, será imunizada em ondas e por bairros. "Se a gente compara um bairro já vacinado com outro que ainda não foi isso nos permite fazer estudos, comparações", explicou Dimas Covas, diretor do Instituto Butantan, nessa sexta-feira (12), durante coletiva de imprensa realizada no município. O cadastro início da imunização em massa para moradores teve início na quinta-feira (11). 

A cidade foi escolhida por ser um município pequenos, mas, com uma intensa circulação de pessoas. Outro estudo detectou que nenhuma cidade de região tem teste rápido disponível e com a liberação do resultado em 24 horas, o que também foi considerado fundamental para a escolha. Serrana foi dividida em quatro grupos diferentes que serão vacinados em semana diferentes.

Ele relembrou que se tratava de um projeto secreto, que agora passa a ser amplamente conhecido com o objetivo de realizar a vacinação em massa na cidada para testar a eficiência da vacina CoronVac. "Recentemente, começamos com a Faculdade de Medicina alguns estudos para verificar a prevalência da infecção pelo coronavírus. Foi feito em Ribeirão Preto e em Serrana", disse.

"Naquele momento, Serrana apresentava uma das maiores prevalências. Isso começou a despertar maior interesse sobre o porque dessa prevalência. Esse projeto é muito ambicioso. Por que não fazemos um estudo do impacto da vacina na população inteira? Todos nós fomos impactamos de uma forma muito grave pela pandemia, que quebra o funcionamento normal de uma sociedade."

O projeto pretende imunizar cerca de 30 mil pessoas. "Quanto maior for a adesão, maior será a contribuição que o município dará ao mundo porque esses resultados serão disponibilizados ao mundo", disse Covas. "Estamos em um momento crítico porque temos novas variantes de vírus. Esse projeto vem no momento certo quando se inicia a vacinação de certas populações escolhidas."

O prefeito de Serrana, Léo Capitelli, lembrou do enfrentamento ao coronavírus que teve início no ano passado. "Montamos, junto aos profissionais de saúde, naquele momento oficializamos nosso comitê de contingenciamento de covid-19", disse. Capitelli lembrou também que a cidade diagnosticou 23 idosos infectadas pelo vírus que foram tratados no Hospital Estadual e na Santa Casa. "Esse trabalho de vigilância ativa fortaleceu nosso trabalho com o Butantan. Hoje é um dia que marcará a história de Serrana."

Um dos diretores do estudo, Ricardo Palácios, explicou que o estudo tem como objetivo responder a pergunta de pesquisa: "com essa vacina poderemos sair da pandemia? Quando pensamos no coletivo, em uma sociedade, é possível conter a pandemia através da vacinação?", explicou. 

"Serrana será um modelo para o Brasil e para o mundo de como deveria ser a contenção da pandemia. Todos os habitantes de Serrana vão poder ter a vacina. Essa vacinação vai ajudar a construir um conhecimento que o mundo está precisando." Palácios disse ainda que o estudo deve investigar a redução de casos graves, o bloqueio de transmissão do vírus e os efeitos indiretos da vacinação.

Como ocorrerá a vacinação

A cidade foi dividida em quatro grupos diferentes que serão vacinados em semana diferentes. A definição da ordem dos grupos de áreas (organizados por cores) ocorrerá por meio de sorteio. Todos os insumos serão rastreados para evitar roubos e desvios.

As pessoas precisam ser moradores de Serrana, adultos e ter interesse em participar do estudo. Para quem não participou do Censo, poderá se recadastrar para, então, participar da pesquisa. O lote destinado ao projeto em Serrana é específico para a realização do estudo. "Todos que estiverem nos critérios de escolha terão acesso à vacina", afirmou Marcos Borges, diretor do estudo.

A vacinação levará entre 1h e 1h30, tempo necessário para a coleta de dados para a pesquisa. De acordo com o sorteio, a primeira região a ser vacinada será a verde (17 de fevereiro), na sequência, a amarela (24 de fevereiro), cinza (3 de março) e, por fim, a azul (10 de março). 

Últimas