Reforma da Previdência
São Paulo Servidores municipais de São Paulo decidem manter greve

Servidores municipais de São Paulo decidem manter greve

De acordo com o sindicato, próxima assembleia para decidir sobre continuidade ou fim da greve deve acontecer na próxima quarta

greve

Servidores fizeram manifestação nesta quinta-feira

Servidores fizeram manifestação nesta quinta-feira

Vide Aguiar/Futura Press/Estadão Conteúdo/07.02.2019

Uma assembleia dos servidores municipais de São Paulo, seguida de uma caminhada do centro até o Masp, na avenida Paulista, nesta quinta-feira (7), decidiu a manutenção da greve contra a reforma da previdência municipal, a Lei 17.020/18. A paralisação dos funcionários públicos acontece desde a madrugada de segunda-feira (4).

A informação foi confirmada pelo Sindisep-SP (Sindicato dos Servidores Municipais de São Paulo). “A próxima assembleia será na quarta-feira 13/02, na frente da Prefeitura. Mas, como estamos em greve, todo dia é dia de mobilização e luta”, informou a nota do sindicato.

Nesta sexta-feira (8), ainda segundo o sindicato, os servidores públicos farão manifestações em diferentes pontos da cidade para “exigir de Bruno Covas a revogação da reforma da previdência municipal, colocando fim ao confisco salarial e ao Sampaprev”.

De acordo com o Sindisep-SP, as manifestações desta sexta-feira acontecem nos seguintes bairros: Butantã (17h), Cachoeirinha (8h), Guaianases (10h), Jabaquara (7h), M’Boi Mirim (9h), Paralheiros (17h), Santana (14h), São Matheus (16h), São Miguel (11h), além de um ato na estação Vergueiro do Metrô, às 13h.