Novo Coronavírus

São Paulo Shoppings de SP amargam prejuízo mesmo após reabertura

Shoppings de SP amargam prejuízo mesmo após reabertura

Associação que representa o setor aponta que lucro chega a 10% do que os centros de compra estavam habituados antes da pandemia

  • São Paulo | Mariana Morello, Do R7*

Shoppings funcionam com horário escalonado, das 16h às 20h

Shoppings funcionam com horário escalonado, das 16h às 20h

ANDERSON LIRA/FRAMEPHOTO/ESTADÃO CONTEÚDO - 11.06.2020

O comércio de São Paulo sofre com as consequências do fechamento durante o enfretamento do covid-19. Os lojistas dos shoppings de São Paulo afirmam que, após abertura, o faturamento caiu 90% em relação ao período pré-pandemia. As informações são da Alshop (Associação Brasileira de Lojistas de Shoppings Centers). 

Leia também: Mais de 600 estabelecimentos são interditados na quarentena em SP

Segundo pesquisa do setor, em São Paulo, 32% dos lojistas relataram fazer parte deste grupo com maior prejuízo. Já para 41% dos lojistas o faturamento ficou reduzido em até 80% e 24% dos empresários registraram queda de até 70%.

Só nos 30 primeiros dias de fechamento, o impacto nos estabelecimentos comerciais de São Paulo foi de R$ 4,5 bilhões, de acordo com a associação.

Os shoppings populares reabriram no dia 11 de junho, porém, funcionam com horário escalonado, das 16h às 20h, e com 20% da capacidade para evitar aglomerações e sobrecarga no transporte público na capital.

Leia também: Chefs e donos de restaurantes temem falta de clientes

“A queda foi vertiginosa nas vendas o que mostra o quanto o setor do comércio foi comprometido com a pandemia. Os prejuízos estimados estão em 35 bilhões de reais [em todo país] e só na grande São Paulo 10% das lojas não vão mais reabrir por falta de condições o que irá aumentar o desemprego além da queda da arrecadação", diz Nabil Sahyoun, presidente da ALSHOP.

No caso da capital, os dados já refletem o prejuízo do Dia dos Namorados onde o
comércio teve apenas um dia de vendas.

Leia também: Pandemia faz shopping investir em vendas online e áreas ao ar livre

Praças de alimentação

Ainda de acordo com a Alshop, a não reabertura simultânea das praças de alimentação, que tanto movimentam os shoppings, e das lojas foi um fator determinante para essa queda.

Apenas um mês depois, no último sábado (11), as praças de alimentação foram autorizas a reabriram junto com bares e restaurante. Segundo o Plano SP com o limite de 40% de ocupação e a distância de 1,5m nas filas.

Em todo o estado há cerca de 180 shoppings que empregam milhares de pessoas,
além das vagas indiretas.

*Estagiária do Portal R7 sob a supervisão de Ingrid Alfaya

Últimas