Sindicato pede exclusão de policiais do novo rodízio de veículos em SP

Ofício foi enviado à prefeitura porque agentes da segurança pública não estão em isolamento e se arriscam para cumprir a função durante pandemia

Trânsito de veículos na av. Rubem Berta, zona sul de SP, nesta quinta-feira (7)

Trânsito de veículos na av. Rubem Berta, zona sul de SP, nesta quinta-feira (7)

WILLIAN MOREIRA/FUTURA PRESS/ESTADÃO CONTEÚDO - 7.5.2020

O Sindpesp (Sindicato dos Delegados de Polícia do Estado de São Paulo) encaminhou nesta quinta-feira (7) um ofício ao prefeito de São Paulo, Bruno Covas (PSDB), solicitando alterações no decreto que amplia o rodízio de veículos na capital a partir do dia 11 de abril. Segundo a entidade, a prefeitura errou ao não contemplar os agentes da segurança pública como exceção à restrição, adotada em função da pandemia do novo coronavírus.

Segundo a presidente do Sindpesp, Raquel Kobashi Gallinati, os policiais não estão em isolamento social por exercerem uma atividade essencial e estão cumprindo a rotina de trabalho normalmente. "Não estamos em quarentena. Enviamos o ofício para que revejam o decreto. Queremos inclusão dos carros particulares dos policiais e que não sejamos multados no período para termos que recorrer", afirmou.

Leia também: Uso de máscara é obrigatório em SP a partir desta quinta-feira (7)

A delegada ressaltou que os profissionais da segurança estão nas ruas se colocando em risco de contaminação pelo novo coronavírus, assim como de contaminação dos familiares. "A prefeitura tem que corrigir esse erro e incluir policiais civis, militares, federais, guardas municipais, policiais penais e rodoviários federais na excepcionalidade", enfatizou Raquel.

Pela nova regra, a medida começa a valer em São Paulo na próxima segunda-feira (11) por 24 horas, inclusive aos finais de semana, e não mais apenas nos horários de pico. A restrição abrangerá todas as vias da capital e não só o Centro Expandido. Podem circular, em dias ímpares, os veículos com placa final ímpar e, nos pares, as placas que terminam em dígitos pares, incluindo o final 0.

A restrição não vale para os veículos que já tinham isenção de rodízio, como: motocicletas, viaturas da polícia, Exército, gás, água, ambulâncias, e foi ampliada para os profissionais de saúde.

Considerando que os agentes de segurança também são trabalhadores de atuação indispensável à sociedade, o Sindpesp pede que o prefeito cumpra o estabelecido no Decreto Estadual 64.881, de 22 de março de 2020, que reconhece o serviço policial como atividade essencial durante o período de isolamento social.

“A permissão de circulação dos agentes de segurança pública é fundamental para garantir o excelente trabalho que as polícias vêm realizando na capital durante a quarentena”, disse Raquel Gallinati.

O sindicato pede que o município autorize o cadastramento desses veículos pelo e-mail isencao.covid19@prefeitura.sp.gov.br, como vai ocorrer com a saúde.