Sindicatos docentes de SP tentam impedir retorno de aulas na Justiça

Entidades ligadas a professores da rede pública são contrárias à reabertura das escolas e defendem retorno das atividades presenciais em 2021

Sindicatos docentes de SP tentam impedir retorno de aulas na Justiça

Sindicatos docentes de SP tentam impedir retorno de aulas na Justiça

Alex Silva/ Estadão Conteúdo - 12.08.2020

Entidades ligadas a professores da rede pública são contrárias à reabertura das escolas. Na última semana, a Fepesp (Federação dos Professores do Estado de São Paulo), o Afuse (Sindicato dos Funcionários e Servidores da Educação do Estado de São Paulo), a Apeoesp (Sindicato dos Professores do Ensino Oficial do Estado de São Paulo) e o CPP (Centro do Professorado Paulista) já haviam entrado com ação para impedir as aulas presenciais no Estado.

Leia mais: SP deve anunciar retomada das aulas presenciais para outubro

Presidente da Fepesp, Celso Napolitano vê com ressalvas a retomada para atividades extracurriculares. "Pedagogicamente, é complicado, ineficaz. Não tem sentido um retorno agora." A entidade defende aulas presenciais só em 2021. Para ele, não há como comparar São Paulo com países europeus que reabriram escolas, pois são momentos epidêmicos e sociais distintos.

Veja também: Agências do INSS em São Paulo serão reabertas nesta quinta

Chico Poli, presidente do sindicatos dos diretores de escolas estaduais (Udemo) também é contrário à retomada. "Neste momento, é impossível e irresponsável a volta das atividades presenciais nas escolas." Ele alega que escolas públicas teriam dificuldades estruturais para seguir os protocolos. Já o sindicato das escolas privadas, o Sieeesp, vai aguardar o anúncio completo da Prefeitura para definir se entrará com mais uma ação na Justiça.