Skinhead espancado em metrô passa por cirurgia e continua na UTI

Mãe diz que jovem de 24 anos nunca se envolveu em briga

Skinhead espancado em metrô passa por cirurgia e continua na UTI

Jovem foi espancado dentro do metrô em São Paulo. Ele está em coma com várias fraturas pelo corpo

Jovem foi espancado dentro do metrô em São Paulo. Ele está em coma com várias fraturas pelo corpo

Reprodução/Rede Record

O jovem de 24 anos encontrado desmaiado na estação da Luz do Metrô, no último dia 8, continua internado na UTI (Unidade de Terapia Intensiva) da Santa Casa de São Paulo. Bruno Ribeiro de Brito passou por uma cirurgia na noite de sábado (13) para a retirada de parte do crânio após um traumatismo e tem o estado de saúde considerado gravíssimo, segundo a mãe da vítima.

O rapaz, que diz ser skinhead, teve várias fraturas pelo corpo. Ele trabalha como segurança e voltava para casa quando foi encontrado. A vítima chegou à estação da Luz, na área central de São Paulo, acompanhado de um amigo. Os dois se despediram na plataforma da linha 1 — Azul. Ele seguiria em direção à zona norte da capital onde mora com a família.

A mãe da vítima, Erika, afirma desconhecer qualquer desavença que possa ter gerado a motivação para a violência. Ainda não há informações sobre o que aconteceu, mas ele foi achado por um maquinista caído ao lado do trilho. Antes de chegar ao hospital, ele teve duas paradas cardiorrespiratórias.

Leia mais notícias de São Paulo

O jovem respira com a ajuda de aparelhos e, desde segunda-feira, quando foi internado, o estado de saúde dele pouco mudou. Ele tem sete fraturas no rosto, está com o maxilar quebrado, tem uma fratura na bacia e outra, exposta, na perna esquerda. A mão direita dele também foi quebrada. Ele fez uma operação na cabeça e deverá passar por vários outros procedimentos, mas ainda sem data para ocorrer, segundo a família.   

A Polícia Civil já abriu inquérito para investigar o caso e descarta a possibilidade de tentativa de suicídio. Os policiais investigam se o jovem foi vítima de agressão por intolerância, pois ele se diz "soldado skinhead". Ainda segundo a polícia, em março deste ano, ele chegou a ser detido junto com outras pessoas. Todos suspeitos de combinar uma briga com punks na estação Carandiru do Metrô, que só não aconteceu porque policiais civis chegaram antes.   

As imagens das câmeras na plataforma do Metrô estão com a polícia, mas não registraram como a vítima caiu nos trilhos. A polícia aguarda agora outros pontos da estação para tentar identificar os agressores.