São Paulo Sob frio ainda mais intenso, SP mobiliza ajuda a moradores de rua

Sob frio ainda mais intenso, SP mobiliza ajuda a moradores de rua

Plano da prefeitura é acionado quando temperatura atinge patamar 13ºC ou menos. Na quarta, termômetros marcaram 6,5ºC

Moradores de rua sofrem com o frio intenso de São Paulo

Moradores de rua sofrem com o frio intenso de São Paulo

RENATO S. CERQUEIRA/FUTURA PRESS/ESTADÃO CONTEÚDO - 30.06.2021

A previsão de frio ainda mais intenso na cidade de São Paulo nos próximos dias aumenta a preocupação com a população de cerca de 24 mil pessoas em situação de rua, segundo o último levantamento, de 2019, da Smads (Secretaria Municipal de Assistência e Desenvolvimento Social). Ao todo,11.693 são acolhidos na rede socioassistencial e 12.651 em situação de rua.

Leia também: O frio da noite na pele

O Plano de Contingência para Situações de Baixas Temperaturas - 2021 foi instituído na capital no dia 30 abril. Desde então, houve 10.744 acolhimentos, 779 recusas e 9.537 cobertores distribuídos. O plano segue em vigor até o dia 30 de setembro.

A ação para abrigar essa população é reforçada sempre que a temperatura atinge um patamar igual ou inferior a 13ºC ou sensação térmica equivalente. Na madrugada desta quarta-feira (30), a temperatura chegou a 6,3ºC - a mais baixa já registrada desde 2016 e a previsão é de novos recordes de mínimas.

Foram acolhidas 227 pessoas, houve 30 recusas e foram distribuídos 200 cobertores, ainda na madrugada desta quarta-feira (20).   

As baixas temperaturas provocaram ao menos 12 mortes de pessoas em situação de rua na cidade desde o dia 21 de junho, de acordo com o MEPSR-SP (Movimento Estadual das Pessoas em Situação de Rua). Só entre terça e quarta, foram nove. 

Há moradores de rua que optam por não ir até um dos centros de acolhimento pois relatam ter muitas regras. “O problema de lá é que tem muitas regras, então a gente prefere ficar aqui mais livre”, relatou ao R7 Alexander Rodrigues de Oliveira, de 21 anos, na onda de frio que atingiu a capital no mês de maio. Mesmo a poucos metros de um dos centros de acolhida municipais, Alexander e seus companheiros de barraca preferem a rua, a menos que esteja chovendo.

Mesmo assim, no período de baixas temperaturas, os clubes esportivos reforçam a ampliação das vagas e foram criadas mais 260, sendo 200 no Clube Esportivo Tietê, que havia sido desativado em janeiro deste ano, e 60 no Clube Pelezão. De acordo com a demanda, as vagas poderão ser ampliadas.

A SMADS e a SPTrans disponibilizam ônibus em pontos específicos da região central para transportar as pessoas até os Centros de Acolhida:

- No Pateo do Collegio (destino Clube Tietê), os ônibus realizam duas viagens, a primeira às 16h30 e a segunda às 18h;

- Na Praça da Sé (destino Clube Pelezão) o primeiro ônibus sai às 16h e a segundo às 19h;

- Na Praça Princesa Isabel e no Metrô Portuguesa-Tietê há uma viagem única para o Clube Tietê, às 18h.

Vagas

Além de 23 mil vagas disponibilizadas em 100 centros de acolhida, a população em situação de rua da capital conta com 2.159 novas vagas criadas na pandemia - 692 estão em oito equipamentos emergenciais em centros esportivos, 400 em unidades de CEU (Centro Educacional Unificado), 260 em um Centro de Acolhida Especial para Famílias e 807 vagas para hospedagem de idosos em situação de rua já acolhidos na rede socioassistencial em 13 hotéis (12 na região central, sendo um deles transformado em Centro de Acolhida Especial para Idosos e um na região norte).

Desse total de novas vagas criadas, 1.667 estão em atividade. Segundo a prefeitura, esses equipamentos funcionam 24 horas por dia e são voltados a diversos perfis.

As pessoas com suspeita ou diagnóstico de covid-19 com sintomas leves são encaminhadas para o Centro de Acolhida Especial na Vila Clementino, na zona sul, com 50 vagas, ou para um Centro de Acolhida na Lapa, zona oeste, com 40 vagas para a doença e 60 para a Operação Baixas Temperatura, informa a prefeitura.

Como ajudar?

undefined

Ao ver uma pessoa em situação de rua durante o frio intenso, é possível acionar a prefeitura pela central 156. A ligação gratuita, e é preciso digitar as opções 0 e, em seguida, 3.

O acionamento pode ser anônimo e deve ser informado o endereço da via em que o morador em situação de rua se encontra  (o número pode ser aproximado), citar pontos de referência, além de características físicas e detalhes das vestimentas da pessoa a ser abordada.

Campanha Inverno Solidário 2021

Além disso, a SMADS e a Defesa Civil Estadual participam da campanha Inverno Solidário 2021, que incentiva a doação de cobertores novos para ajudar a população em situação de vulnerabilidade a enfrentar os períodos de frio.

As doações recebidas são destinadas a entidades sociais, centros de acolhimento e pessoas em situação de rua em todo o estado de São Paulo.

As doações podem ser feitas no Fundo Social de cada município e nos seguintes pontos na Região Metropolitana de São Paulo:

CPTM - Todas as estações das Linhas 7-Rubi, 8-Diamante (exceção das estações Amador Bueno e Santa Rita), 9-Esmeralda, 10-Turquesa, 11-Coral, 12-Safira e 13-Jade

Metrô - Todas as estações das Linhas 1-Azul, 2-Verde, 3-Vermelha e Linha 15-Prata

ViaQuatro e ViaMobilidade - Todas as estações das Linhas 4-Amarela e 5-Lilás

EMTU - 13 Terminais de Ônibus Intermunicipais
– Terminal São Mateus
– Terminal Santo André Oeste
- Terminal Santo André Leste
– Terminal São Bernardo do Campo
– Terminal Piraporinha (Diadema)
– Terminal Diadema
– Terminal Jabaquara
– Terminal Taboão (Guarulhos)
– Terminal CECAP (Guarulhos)
– Terminal Vila Galvão (Guarulhos)
– Terminal Luiz Bortolosso (Osasco)
– Terminal Cotia
– Terminal Carapicuíba

EFCJ
– Estações Emílio Ribas e Abernéssia, em Campos do Jordão
– Estação Eugênio Lefèvre, em Santo Antônio do Pinhal
– Estação Pindamonhangaba, em Pindamonhangaba

*Estagiária sob supervisão de Clarice Sá

Últimas