Novo Coronavírus

São Paulo SP: 12 cidades furam restrição e litoral tem praias cheias

SP: 12 cidades furam restrição e litoral tem praias cheias

Prefeituras decidiram não cumprir a determinação do governo estadual que colocou Estado na fase vermelha do Plano São Paulo

Agência Estado
Praias registraram intenso movimento neste sábado (26)

Praias registraram intenso movimento neste sábado (26)

Werther Santana/Estadão Conteúdo - 26.12.2020

Prefeituras de 12 cidades do litoral de São Paulo decidiram não cumprir a determinação do governo estadual que colocou temporariamente todos os municípios do Estado na fase vermelha do Plano São Paulo para conter o avanço da contaminação por coronavírus. O fim de semana começou com grande movimentação turística e praias cheias. As cidades dizem ter reforçado a fiscalização dos protocolos.

Entre as cidades que vão manter a fase amarela estão os nove municípios da Baixada Santista (Bertioga, Cubatão, Guarujá, Itanhaém, Mongaguá, Peruíbe, Praia Grande, Santos, São Vicente), Caraguatatuba, Ubatuba e São Sebastião, no litoral norte. Além dessas, Mogi das Cruzes e Cotia, na Grande São Paulo, e Bauru, no interior, também decidiram não restringir as medidas contra a covid-19.

A orientação do governo era que a fase vermelha vigorasse entre 25 e 27 de dezembro e entre 1.º e 3 de janeiro. A gestão João Doria (PSDB) disse na oportunidade que esperava respeito da orientação pelos municípios e dialogaria e notificaria as cidades que não seguissem as determinações.

"O feriado está bom, o pessoal está na praia. A pandemia deu uma segurada, mas a galera quer curtir. Acho que os turistas estão descendo antes dos dias 31 de dezembro e 1 de janeiro, já que vai haver restrição. Notei que para um feriado de Natal a circulação de pessoas está maior, tem muita gente procurando fazer atividade física", disse o proprietário da Escola de Surfe e Stand-Up Paddle, Neno Matos, que trabalha na Praia das Astúrias, no Guarujá.

Veja também: Fiscalização interrompe festas e interdita casas noturnas em SP

"A decisão do Estado foi muito em cima da hora. A maioria dos comerciantes já tinha feito estoques e contratado mão de obra extra para o período. Se seguíssemos o decreto iríamos causar prejuízos e desemprego. Estamos atentos, se for preciso adotaremos medidas restritivas", disse o prefeito de Caraguatatuba, Aguilar Junior (MDB).

Para o presidente do Sindicato dos Hotéis, Bares e Restaurantes da Baixada Santista e Vale do Ribeira, Heitor Gonzalez, a falta de comunicação durante a mudança de região para a fase amarela prejudicou os comerciantes. "Aconteceram muitos erros de comunicação por parte de algumas cidades do litoral, o que causou uma grande confusão no mercado. Não ficou claro o que podia e o que não podia. Primeiro não podia alugar imóveis, as reservas dos hotéis que haviam sido feitas estavam mantidas, mas novas não podiam ser realizadas. Depois não podia botar mesa e cadeira na praia, depois podia", disse. "É um dos piores feriados de Natal dos últimos anos. Hoje estamos trabalhando com 45% da capacidade", explicou o presidente.

Apesar da previsão, o fim de semana, que teve início com o feriado de Natal, impulsionou o movimento em mercados, com filas. Nos comércios do litoral norte, o fluxo também era grande, exigindo paciência dos turistas.

As cidades dizem ter reforçado a fiscalização e preparam medidas para tentar frear o movimento na região. A Baixada Santista fechará o acesso a praias nos dias 31 de dezembro e 1 de janeiro, virada do ano-novo, como forma de evitar aumento de turistas e aglomerações durante a pandemia.

Prefeituras dos municípios da Baixada Santista planejam barreiras sanitárias para impedir a entrada de vans, ônibus e micro-ônibus de turismo que não tenham autorização prévia da Secretaria de Turismo, no dia 31, das 10 às 18 horas. O acesso dos demais veículos é liberado normalmente.

A prefeitura de São Sebastião informou que desde ontem mantém os bloqueios nas divisas do município e fiscalizações sanitárias. A prefeitura de Ubatuba informou que não há previsão para o fechamento das praias.

Últimas