Coronavírus

São Paulo SP admite chance de estender fase emergencial por mais 15 dias

SP admite chance de estender fase emergencial por mais 15 dias

Coordenador de grupo que auxilia Doria ressalta ‘avaliações dinâmicas’ da pandemia; medidas mais duras vão até dia 30

  • São Paulo | Fabíola Perez, do R7

SP vive fase emergencial com fechamento de serviços não essenciais e medidas severas

SP vive fase emergencial com fechamento de serviços não essenciais e medidas severas

Fernando Bizerra/EFE - 15.03.2021

O coordenador do Centro de Contingência do Coronavírus em São Paulo, Paulo Menezes, afirmou, nesta quarta-feira (24), que é possível que seja necessária a extensão da fase emergencial por 15 dias em todo o estado. No entanto, o médico ressaltou que os números de casos, internações e óbitos mudam constantemente, o que pode influenciar a decisão do órgão. 

"Avaliamos a situação a partir de dados que tinhamos até segunda-feira. É possível que seja necessária a extensão da fase emergencial por, quem sabe 15 dias, mas esses números mudam. São avaliações dinâmicas. Trabalhamos assim, junto ao governador, continuamos avaliando os números para que o governador possa tomar a melhor decisão."

Menezes disse ainda que ele e o coordenador executivo do órgão, João Gabbardo, fazem a intermediação do órgão com o governador e a equipe. "O centro é composto por profissionais que avaliam todas as informações existentes para auxiliar o governo no enfrentamento da pandemia", afirmou Menezes.

"Queria lamentar o que aconteceu ontem: encerramos uma reunião às 12h e vimos uma notícia de que o centro teria feito uma série de recomendações ao governo, o que não aconteceu", disse o coordenador. O médico se referiu à divulgação de uma recomendação que teria sido feita pelo centro ao governo para manter a fase emergencial por mais 15 dias em São Paulo. 

O endurecimento das regras de combate à pandemia é uma resposta ao agravamento do número de casos, internações e mortes pela doença em todo o estado. Para que seja retomada a fase vermelha, é necessário que caia o número de novos casos e internações. A taxa de ocupação dos leitos de UTI (Unidade de Terapia Intensiva) precisa chegar a 75%. Atualmente, está em 91,9% no estado e de 91,6% na Grande São Paulo.

Nesta terça-feira (23), no entanto, o estado registrou recorde de 1.021 óbitos nas últimas 24 horas. O número inclui dados acumulados do final de semana - a média foi de 94 cadastros por dia entre domingo (21) e segunda (22).

Últimas