SP avança de fase e permite abertura de bares e restaurantes

Recomendação do Centro de Contingência, acatada pela Prefeitura, é que estabelecimentos devem esperar até segunda-feira (6) para reabrir

Bares deverão reorganizar espaços com maior distanciamento

Bares deverão reorganizar espaços com maior distanciamento

Divulgação

Regiões da cidade de São Paulo passarão, nesta sexta-feira (26), para a fase três (amarela) do processo de reabetura das atividades em meio à crise do coronavírus. Nessa fase, bares, restaurantes e salões de cabeleireiro se preparam para voltar à funcionar no horário reduzido de seis horas e com 40% da capacidade permitida. "A pandemia continua a existir, continuamos a socilitar à população que usem máscaras e se evite aglomerações", disse Bruno Covas, prefeito de São Paulo.

Leia mais: Hospital de campanha do Pacaembu será fechado na segunda-feira

O município de São Paulo e as região Oeste e Sudoeste da Grande São Paulo passam da fase dois, laranja, para a fase três, amarela. 

Segundo o prefeito, será necessário esperar, no entanto, esperar até sexta-feira (3) analisar os números e permitir o funcionamento do que a fase amarela permite. "Vamos conversar, assinar protocolos e se o resultado da semana que vem confirmar o que se espera da fase três (amarela) os estabelecimentos poderão reabrir na segunda-feira (6)", disse Covas.

"Nesse faseamento, observa-se a média dos dias. Provavelmente na semana que vem deve estar tão bom ou melhor do que agora. Essa segurança é importante, vamos entrar num período em que a população vai testar uma nova condição. Essa semana a mais é muito boa para que esses protocolos sejam discutidos e implemetados, a mesma coisa ocorreu com o futebol", explicou Carlos Carvalho, coordenador do Centro de Contigência de Combate ao coronavírus.

Leia mais: Cinco cidades do interior de São Paulo recuam para fase vermelha

De acordo com a secretária estadual de desenvolvimento regional, Patrícia Ellen, o crescimento de novos casos no Estado foi de mais de 1.000% em abril, em maio, de 200% e entre maio e junho de 70% - até o momento. Em relação às taxas de ocupação de leitos houve queda de 72,6%, na semana inicial do Plano São Paulo para 65,5%, na semana atual do plano. 

"Houve uma melhora dos indicadores na capital paulista, por outro lado, no interior, uma presença e um crescimento grande da epidemia. Por isso se está fazendo um trabalho grande para a melhoria da epidemia." Assim, estão na fase um (vermelha) as cidades de Franca, Ribeirão Preto, Araçatuba, Presidente Prudente, Marília, Bauru, Registro e Piracicaba. 

"Como previu o Centro de Contigência de Combate ao Coronavírus, a epidemia ao longo do tempo perderia força na capital, mas ganharia força no interior do estado de São Paulo. O plano São Paulo vem seguindo seu curso com sucesso e credibilidade", disse Doria.

Doria anunciou ainda, nesta sexta-feira (26), o sexto período heterogêneo da quarentena, que deverá se estender entre os dias 29 de junho até o dia 14 de julho. "Nenhuma área está livre da doença, nenhuma pessoa está livre da contaminação", afirmou o governador. A coletiva de imprensa, na qual foi feito o anúncio, teve a participação do prefeito de São Paulo, Bruno Covas, que se recuperava da covid-19 em casa. 

Protocolos para a reabertura

Um dos mais afetados pela pandemia da covid-19, o setor de bares e restaurantes preparou protocolos de saúde para reabrir as portas, após cerca de cem dias fechados. Os estabelecimentos poderão funcionar por seis horas, respeitando as regras estabelecidas em acordo com a prefeitura.

Entre as ações para a retomada dos estabelecimentos, estão medidas como maior distanciamento entre as mesas para receber 40% da capacidade permitida. Os bares terão de respeitar uma distância de ao menos 1,5 metro entre as mesas.

Outras medidas adotadas são o controle de entrada de clientes, termômetros para medição de temperatura, uso de máscaras, álcool em gel por todo o salão e adaptação de cardápios. Funcionários terão de ter a temperatura aferida diariamente e terão de oferecer álcool em gel para clientes.

Dados da Abrasel (Associação Brasileira de Bares e Restaurantes), em São Paulo, mostram que mais de 6 milhões de famílias dependem do setor para sobreviver. Desse total, mais de 20% perderam seus empregos desde o início da pandemia do novo coronavírus. Ao final de junho, a previsão é de que esse número possa chegar a 40%.

Barbearias e salões de beleza

Com a mudança de fase da capital, barbearias e salões de beleza também poderão reabrir as portas, novamente seguindo protocolos de segurança já negociados com a Prefeitura: limite de 40% da capacidade e de seis horas de operação diária.

Além disso, shoppings e comércio de rua poderão ampliar de quatro para seis o horário de funcionamento comercial, e ampliar o limite de público sendo atendido de 20% para 40% da capacidade.

undefined

undefined

Divulgação