São Paulo SP cobra liberação de 678 mil doses da Johnson do Ministério da Saúde

SP cobra liberação de 678 mil doses da Johnson do Ministério da Saúde

João Doria pediu liberação imediata de imunizantes que estariam estocados na pasta desde 25 de junho

  • São Paulo | Do R7

Governo de SP cobra liberação de doses da vacina da Johnson

Governo de SP cobra liberação de doses da vacina da Johnson

Carla Carniel/Reuters - 25.06.2021

O governador de São Paulo, João Doria (PSDB) cobrou, na tarde desta quarta-feira (30), a liberação de 678 mil vacinas da Johnson por parte do Ministério da Saúde. "O governo de São Paulo solicita ao Ministério da Saúde a imediata liberação de 678 mil vacinas da Janssen que estão estocadas no depósito do Ministério da Saúde desde 25 de junho."

"Faço isso em nome de todos os governadores [...]. Essas vacinas da Janssen foram doadas pelo governo dos EUA. [...] Até dá a impressão de que o Ministério da Saúde não tem pressa, nós temos. Ministro, pedimos que o senhor delibere e faça gestão no seu próprio ministério", disse Doria.

Na manhã do sábado (26), o segundo lote com vacinas da Johnson, doadas pelos Estados Unidos, desembarcou no Aeroporto Internacional de Viracopos, em Campinas (SP). Com as novas 942 mil doses do imunizante, a doação soma 3 milhões de doses. O primeiro lote chegou ao Brasil na sexta-feira (25).

O governo norte-americano, que prometeu repassar de graça 80 milhões de vacinas contra o coronavírus aos países que mais precisam, afirmou que equipes científicas e autoridades legais e regulatórias de ambas as nações trabalharam juntas para garantir a entrega rápida das doses.

De acordo com o Ministério da Saúde, trata-se da maior doação de vacinas contra a covid-19 dos Estados Unidos para um país até o momento. A pasta atribui a doação ao "trabalho em conjunto entre os ministérios da Saúde, das Relações Exteriores e a Embaixada dos Estados Unidos no Brasil".

Primeira remessa

A primeira remessa do imunizante, com 1,5 milhão de doses, chegou ao Brasil na terça-feira, após um contrato firmado entre o governo e a farmacêutica que prevê 38 milhões de vacinas. A principal vantagem do imunizante é que a aplicação é de dose única, não requer uma segunda dose para ser eficaz contra a covid-19.

Após as entregas, as vacinas da Johnson começaram a ser aplicadas na sexta-feira (25), em moradores de São Caetano do Sul, na Grande São Paulo. As doses serão aplicadas em moradores de 44 e 45 anos que queiram participar do programa de acesso expandido da vacina. Serão aplicadas 824 doses até o dia 2 de julho.

Últimas