SP começa a distribuir cestas básicas para famílias carentes

Até julho, 25 mil toneladas de alimentos serão entregues a 1 milhão de residências no estado a um custo mensal de R$ 110 milhões

 
Até 30 de abril, um milhão de cestas serão distribuídas no estado. Medida se estende até julho

Até 30 de abril, um milhão de cestas serão distribuídas no estado. Medida se estende até julho

Marcos Santos/USP

O estado de São Paulo começa nesta quarta-feira (15) a distribuição quatro milhões de cestas básicas para famílias com renda per capita de até R$ 89 como parte do programa Alimento Solidário, segundo anunciou o governador João Doria.

Saiba como se proteger e tire suas dúvidas sobre o novo coronavírus
 

As famílias que receberão o benefício estão cadastradas no CadÚnico (cadastro federal oficial para inclusão em programas de assistência social e transferências de renda). Para receber a cesta, o beneficiário deverá apresentar o Número de Identificação Social (NIS).

Leia também: SP tem 70% da capacidade de leitos ocupada por covid-19 no ABC

O trabalho de distribuição acontecerá até o mês julho. Por mês, serão distribuídos um milhão de cestas básicas, com 25 mil toneladas de alimentos , que vão impactar 4 milhões de pessoas. Nesta quarta, serão distribuídas 20 mil e até o dia 30 de abril todas as previstas para o mês serão entregues, somando um milhão. 

O investimento mensal do governo será de R$ 110 milhões. O governador agradeceu doações realizadas por empresas privadas que viabilizaram o programa. Ao todo, 83 empresas do comitê empresarial solidário doaram ao longo de um mês R$ 367 milhões.

Veja também: Remoção de moradores de favelas poderia salvar 41 mil em SP e no Rio

As primeiras unidades serão encaminhadas para Carapicuíba, na Região Metropolitana de São Paulo. Na próxima semana, está prevista a entrega de mais 130 mil cestas em outros 55 municípios.

As cestas, elaboradas em parceria com a equipe de nutricionistas do Hospital Israelita Albert Einstein, contêm fontes de proteínas diferentes (feijão, leite em pó, sardinha, linguiça e ervilha), além de outros produtos como arroz, farinha, macarrão e biscoitos, suficientes para a alimentação de uma família de quatro pessoas por um mês.

Leia também: Doria: Saída de Mandetta seria 'um desastre e um risco para a saúde'

Durante a coletiva, a secretária de desenvolvimento social do estado, Célia Parnes, apontou a série de medidas já tomadas pelo estado para garantir a segurança nutricional, como a ampliação do Viva Leite ao atendimento de idosos, o Merenda em Casa e a extensão do atendimetno dos restaurantes Bom Prato e de segurança socioeconômica, como a ampliação de financiamento aos microempreendedores por Banco do Povo, Desenvolve SP e o Sebrae.