Novo Coronavírus

São Paulo SP confirma vacinação de pessoas com deficiência e grávidas

SP confirma vacinação de pessoas com deficiência e grávidas

Anúncio foi feito por Doria durante coletiva de imprensa na tarde desta quarta (5). Público começa a ser imunizado no dia 11 de maio

  • São Paulo | Do R7

Público começa a ser imunizado no dia 11 de maio

Público começa a ser imunizado no dia 11 de maio

Fazry Ismail/EFE/EPA - 05.05.2021

O estado de São Paulo irá vacinar pessoas com deficiência e grávidas contra a covid-19 a partir do dia 11 de maio. O anúncio foi feito pelo governador João Doria (PSDB), em coletiva de imprensa na tarde desta quarta-feira (5), no Palácio dos Bandeirantes, em São Paulo.

"Vamos vacinar pessoas com deficiência, grávidas e adultos com comorbidade. No dia 11 de maio, terça-feira, vamos começar a vacinar gestantes e mães com comorbidade. Um total de 100 mil mulheres acima de 18 anos serão imunizadas no estado", afirmou João Doria.

Ainda de acordo com o governador, no mesmo dia, também começam a ser imunizadas  pessoas com deficiência permanente, entre 55 a 59 anos de idade. Estima-se que 30 mil pessoas devem ser imunizadas neste grupo.

Já na quarta-feira (12), pessoas que possuem comorbidades na mesma faixa etária (entre 55 e 59 anos) também poderão receber a primeira dose da vacina. Este público é estimado em 900 mil pessoas. Ao todo, serão vacinados mais de 1 milhão de pessoas nesta etapa.

A vacinação da população com idade entre 60 e 62 anos começa nesta sexta (6). O governo estima que que 1,4 milhão de pessoas devem receber a primeira dose da vacina nesta faixa etária.

Números no estado

Até o momento, de acordo com o vacinômetro, 12.493.412 de pessoas foram vacinadas em todo estado, sendo 7.894.043 com a primeira dose e 4.599.369 com o esquema vacinal completo.

A taxa de ocupação dos leitos de UTI é de 78,3% no interior e de 76,4% na Grande São Paulo, de acordo com o governo paulista.  O crescimento no número de novos casos de covid-19 é 2,5%. 

O número de internações caiu 0,2% e de óbitos, 1,3%.

Últimas