São Paulo SP cria programas de geração de renda voltados só para mulheres

SP cria programas de geração de renda voltados só para mulheres

Empreenda Mulher, Prospera Mulher e Todas in-Rede pretendem oferecer qualificação profissional ao público feminino

  • São Paulo | Do R7

SP lança programas de geração de renda e empreendedorismo para mulheres

SP lança programas de geração de renda e empreendedorismo para mulheres

Divulgação / Secretaria dos Direitos da Pessoa com Deficiência

O Governo de São Paulo anunciou nesta segunda-feira (8) a criação de três novos programas de empreendedorismo, geração de renda e qualificação profissional voltados exclusivamente a mulheres.

Durante coletiva de imprensa realizada no Dia Internacional da Mulher, o governador João Doria também homenageou aquelas que se destacaram no combate ao novo coronavírus.

O “Empreenda Mulher” oferece mais de 60 mil vagas gratuitas em cursos de qualificação em diversas áreas e a liberação de R$ 50 milhões em microcrédito pelo Banco do Povo, exclusivos para mulheres que moram no estado de São Paulo.

Segundo o governo, "o objetivo do programa é incentivar a autonomia das mulheres, possibilitando acesso a crédito e oferta de cursos de qualificação empreendedora, tecnológica, entre outras áreas". 

Já a primeira fase do “Prospera Mulher” pretende beneficiar 12 mil famílias em todo o estado e tem como público-alvo as chefes de famílias monoparentais, com crianças de 0 a 6 anos, e que estejam em situação de extrema pobreza (que sobrevivem mensalmente com até R$ 89 por pessoa), cadastradas no CadÚnico (Cadastro Único para Programas Sociais) e que sejam atendidas por programas destinados à primeira infância.

A ideia é promover a inclusão produtiva, estimular a geração de renda por meio do acesso ao trabalho, empreendedorismo, capacitações e oportunidades de ofício atrelado a planejamento do futuro.

O “Todas in-Rede” visa a autonomia das mulheres com deficiência do estado. De acordo com dados dos Direitos da Pessoa com Deficiência, hoje vivem mais de 1,7 milhão de mulheres com deficiência em São Paulo.

Por meio da formação profissional e criação de uma rede virtual acessível às mulheres com deficiência, "o programa busca o protagonismo desse público, onde são trabalhados temas como acesso à informação, trabalho, renda e autonomia financeira, exercício dos direitos afetivos, sexuais e reprodutivos, prevenção à violência, autoestima e liderança". 

Últimas