Coronavírus

São Paulo SP inicia vacinação da 2ª dose em grávidas que tomaram AstraZeneca

SP inicia vacinação da 2ª dose em grávidas que tomaram AstraZeneca

Campanha abrange também mulheres puérperas já vacinadas com a 1ª dose contra covid-19. Imunizante usado será agora o da Pfizer

São Paulo inicia vacinação da 2ª dose em grávidas e puérperas que tomaram AstraZeneca

São Paulo inicia vacinação da 2ª dose em grávidas e puérperas que tomaram AstraZeneca

Carla Carniel/Reuters - 6.7.2021

A partir desta sexta-feira (23), municípios do estado de São Paulo começam a aplicar a segunda dose da vacina contra a covid-19 em gestantes e puérperas que tenham tomado a primeira dose da AstraZeneca. Agora elas estão liberadas a receber o imunizante da Pfizer. 

Em todo o estado, são cerca de 9 mil mulheres que devem procurar as UBSs (Unidades Básicas de Saúde) de seus municípios.

Atualmente, a orientação do Ministério da Saúde é que mulheres grávidas e puérperas (que tiveram filhos há até 60 dias) sejam imunizadas apenas com Pfizer ou CoronaVac. No entanto, mesmo que a combinação de vacinas ainda não seja reconhecida, o governo de São Paulo defende a aplicação da segunda dose de outro imunizante.

"Existem estudos com o uso da AstraZeneca e a 2ª dose da Pzifer e não havia aumento ou efeito adverso importante. [...] Nesse momento, a mortalidade por covid é muito maior do que qualquer outra doença. Deixar essas mulheres desprotegidas por 10 meses é uma incoerência muito grande", afirmou Rossana Pulcineli, presidente da Sogesp (Associação de Obstetrícia e Ginecologia de São Paulo).

Ainda segundo o governo, a segunda dose tem sido uma demanda das próprias gestantes. "É importante levar em consideração que começamos a ter a variante Delta. Uma dose só da vacina não protege contra a variante. Todos os médicos devem se envolver na discussão sobre a segurança das gestantes", finalizou.

Vacinação na capital paulista

As 652 gestantes e puérperas da capital paulista, que receberam a primeira dose da AstraZeneca, poderão receber o imunizante da Pfizer, a partir de segunda-feira (26), para completar o esquema vacinal.

Segundo o prefeito Ricardo Nunes (MDB), equipes da Secretaria Municipal da Saúde vão fazer a vacinação dessas mulheres em domicílio, respeitando o intervalo de 84 dias entre as doses.

Para isso, uma lista de gestantes e puérperas elegíveis será encaminhada para as UBSs. Nela constam o nome, data da primeira dose, imunizante recebido e data prevista para a segunda dose. As UBSs, segundo a prefeitura, vão ficar responsáveis por contatar as mulheres e agendar a vacinação em casa.

Últimas