SP: mais de 1.000 pacientes já foram curados em hospitais de campanha

Município disponibilizou 2.000 vagas em instalações montadas para atender exclusivamente casos leves e moderados de covid-19

Hospital do Pacaembu tem 200 leitos de enfermaria para casos de covid-19

Hospital do Pacaembu tem 200 leitos de enfermaria para casos de covid-19

Mister Shadow/ASI/Estadão Conteúdo - 25.4.2020

Os dois hospitais municipais de campanha montados na cidade de São Paulo já trataram e liberaram mais de 1.000 pacientes com covid-19, informou nesta segunda-feira (4) o prefeito da capital, Bruno Covas.

As instalações do Anhembi e do Pacaembu somam 2.000 leitos para casos menos graves da doença. No domingo (3), 614 pessoas permaneciam internadas nesses dois hospitais. 

A cidade de São Paulo concentra o maior número de casos confirmados de covid-19: 20.464 registros até ontem, incluindo 1.673 óbitos.

Na sexta-feira (1º), foi inaugurado o terceiro hospital de campanha da cidade, este construído pelo governo do estado, no Ibirapuera, com 268 vagas. Segundo a Secretaria de Estado da Saúde, 45 pessoas estão internadas. 

Requisição de leitos de UTI

Um decreto municipal, publicado na sexta-feira, autoriza a prefeitura a requisitar leitos particulares de UTI se houver necessidade.

O município mapeou que os 107 grandes hospitais possuem 3.970 vagas de terapia intensiva. No entanto, o prefeito frisou que a requisição só será feita se não houver acordo com as redes privadas.

"Vamos poder requisitar esse leito e depois pagar, discutir o quanto deve ser pago por ele".

Ele exemplificou que com os hospitais da Cruz Vermelha e da Unisa, que já estão recebendo casos graves de covid-19 encaminhados pela rede municipal de saúde, foram firmados acordos para que a prefeitura pague diária de R$ 2.100 por leito ocupado.

A região metropolitana da capital tem 87,1% dos leitos de UTI da rede pública ocupados.