São Paulo SP: "Não sou homofóbica", afirma mulher após agressões em padaria

SP: "Não sou homofóbica", afirma mulher após agressões em padaria

Apesar das imagens, a advogada aposentada Lidiane Biezok, de 45 anos, nega ser uma pessoa preconceituosa e que sofre de problemas mentais

  • São Paulo | Do R7

A advogada Lidiane Biezok, de 45 anos, na noite de sexta-feira (20) por lesão corporal, injúria e homofobia praticada contra dois artistas, ambos de 24 anos, na padaria Dona Deôla, no bairro Perdizes, zona oeste de São Paulo, disse não ser homofóbica e que as agressões foram consequências de uma mistura de remédios e álcool.

"A partir do momento em que, de certa forma, eu fui atacada por eles, eu surtei. Não sou homofóbica, nunca fui. Eu tenho vários amigos homossexuais", disse Lidiane.

Advogada era cliente da padaria havia dois anos e fazia reclamações com frequência

Advogada era cliente da padaria havia dois anos e fazia reclamações com frequência

Reprodução/ Redes sociais

Ela conta que sofre de depressão e bipolaridade grave e que, por esses motivos, já não exerce mais a função de advogada e que está aposentada. Ainda de acordo com Lidiane, ela tem laudos médicos que comprovam o quadro psicológico.

Segundo informações da Record TV, a advogada era cliente da padaria há dois anos e, segundo funcionários, sempre houve reclamações do serviço por parte dela. No dia das agressões, Lidiane ofendeu funcionários do local, além de agredir e proferir falas homofóbicas e racistas contra clientes que foram defender os funcionários.

Na chegada da polícia, a agressora continuou com os insultos. Lidiane chegou a ser presa, mas foi liberada na manhã seguinte.

Últimas