São Paulo SP: ONG de líder comunitária morta desviava dinheiro, diz polícia

SP: ONG de líder comunitária morta desviava dinheiro, diz polícia

Polícia identificou extratos bancários falsos que eram entregues pela prefeitura. Presidente da ONG foi morta em julho de 2020

  • São Paulo | Do R7, com informações da Record TV

Resumindo a Notícia

  • Vera Lúcia foi morta em junho do ano passado, no Grajaú (zona sul de SP)
  • Ela era presidente de uma ONG e foi encontrada carbonizada em um carro
  • Segundo a polícia, a ONG que ela presidia desviava dinheiro público
  • As investigações ainda devem apontar o destino do dinheiro desviado

Reprodução/Record TV

As investigações da Polícia Civil apontam que a morte da líder comunitária Vera Lúcia da Silva Santos pode estar ligada a desvios de dinheiro público da ONG que ela presidia, que atuava em na região do Grajaú, extremo sul de São Paulo. É isso que relevam os documentos obtidos com exclusividade pela Record TV.

As investigações da polícia chegaram aos extratos bancários da ONG que Vera Lúcia era presidente, e também a extratos falsificados que eram enviados pela organização para a prefeitura de São Paulo para o recebimento de recursos. O saldo entre os dos extratos eram sempre muito diferentes.

"O extrato bancário real, às vezes negativo, era enviado a prefeitura com saldo positivo de quase  200 mil reais. Com certeza esse dinheiro foi desviado", explica o delegado Marcelo Jacobucci, do DHPP (Departamento Estadual de Proteção à Pessoa).

Vera desapareceu no dia 16 de julho após sair da ONG, deixando bolsa e pertences no local. O carro dela foi flagrado por imagens de câmeras de segurança da região momentos depois do sumiço. O automóvel foi encontrado queimado dois dias depois, com o corpo carbonizado no porta-malas.

A ONG que Vera era presidente recebia R$ 500 mil por mês da Prefeitura de São Paulo para administrar projetos sociais e creches em comunidades da zona sul de São Paulo. Todos os meses, a instituição precisa prestar contas para a diretoria de ensino, para comprovar o destino do dinheiro público e a saúde financeira da ONG. A polícia analisou a movimentação de 15 contas de dois bancos.

As investigações da Polícia Civil chegou à conclusão que o assassinato de Vera Lúcia tem ligação com a fraude, e agora vai instaurar um inquérito de lavagem de dinheiro para rastrear o caminho dos altos valores desviados pela ONG. Os investigadores já sabem que alguns funcionários tinham conhecimento das irregularidades.

A Prefeitura de São Paulo descredenciou a ONG no início do ano e cortou os repasses de verbas públicas logo depois de ter conhecimento sobre os desvios de dinheiro.

Últimas