São Paulo SP: Polícia Civil substitui pistolas da Taurus por 4 mil armas da Glock

SP: Polícia Civil substitui pistolas da Taurus por 4 mil armas da Glock

Empresa Glock deve substituir armamentos da fabricante brasileira Taurus nas polícias Civil e Militar do Estado de São Paulo

  • São Paulo | Isabelle Gandolphi e Beatriz Leite, da Agência Record

Resumindo a Notícia

  • Após décadas comprando de fabricante brasileira, polícia de SP adquire armas da Glock
  • Armas que a PM haviam comprado 221,48 dólares, foram adquiridas pela Civil por 493,78 dólares
  • Polícia Civil comprou cerca de 4.000 pistolas semiautomáticas de calibre ponto 40
Armas Glock compradas pela PM de São Paulo

Armas Glock compradas pela PM de São Paulo

Divulgação/SSP-SP

A Polícia Civil de São Paulo comprou 4 mil pistolas semiautomáticas da fabricante Glock para substituir as armas da Taurus, utilizada pela corporação durante décadas.

Segundo a SSP-SP (Secretaria de Segurança Pública do Estado de São Paulo), a troca foi feita para modernizar o arsenal da instituição, garantir aos policiais melhores condições no combate à criminalidade e ampliar a percepção de segurança da população paulista.

Leia também: Governo de SP assina contrato com a Glock e adquire 40 mil pistolas

A pasta também informou que a compra foi realizada por meio de uma licitação internacional, concluída no mês passado, que teve a empresa austríaca Glock classificada em primeiro lugar.

Já a Taurus afirmou, por meio de nota, que no final de 2019, a Polícia Civil de São Paulo realizou licitação para a compra de aproximadamente 4.000 pistolas semiautomáticas de calibre ponto 40.

No entanto, ainda conforme a nota, a empresa teria sido impedida de participar em razão de exigências excessivas tanto na habilitação jurídica quanto técnica do edital, que deveria ter sido revisto para permitir a ampliação da disputa entre os interessados.

Com isso, resultou que a Glock America foi a única apta a participar da licitação. O que chamou atenção foi que a mesma pistola modelo G22, Geração 5, calibre ponto 40, ofertada à Polícia Civil ao preço de 493,78 dólares foi vendida recentemente à Polícia Militar de São Paulo por 221,48 dólares.

Outro ponto apontado pela fabricante nacional é que a exportação de armamento da Europa ao território nacional foi intermediada por uma empresa no Uruguai, a Glock America, que não possui atividade de industrialização e comercialização de armas naquele país, nem escritório instalado.

Com isso, está em andamento uma representação no Tribunal de Contas do Estado de São Paulo para apurar possíveis irregularidades na condução desta licitação.

Referente às supostas falhas das armas, a Taurus afirmou que as causas só podem ser identificadas em perícias técnicas. A empresa ainda disse que desconhece laudos que evidenciem defeitos nessas pistolas dotadas à Polícia Civil.

Ainda, o fato dessas pistolas estarem sendo doadas para outras instituições de segurança, evidencia que inexistem problemas de fabricação.

Últimas