São Paulo SP: preso grupo que sequestrou empresário para obter diamantes

SP: preso grupo que sequestrou empresário para obter diamantes

Seis homens foram detidos, sendo quatro com prisão temporária decretada. Polícia ainda procura outros dois suspeitos de envolvimento no crime

  • São Paulo | Do R7

Seis suspeitos de participar do sequestro de um empresário do setor imobiliário foram presos em Guaianazes, zona leste da capital paulista, e em Ferraz de Vasconcelos, região metropolitana de São Paulo na manhã desta quinta-feira (5). As prisões são resultado da Operação Diamante, deflagrada por policiais da 1ª Delegacia da Divisão Antissequestro, do DOPE (Departamento de Operações Policiais Estratégicas).

Polícia Civil de SP prende suspeitos de sequestro

Polícia Civil de SP prende suspeitos de sequestro

Reprodução

Pai morre e criança de 11 meses é baleada durante suposto assalto 

Quatro deles tiveram a prisão temporária decretada pela Justiça de São Paulo e outros dois ainda dependem de investigações sobre o suposto envolvimento no crime para que o pedido de prisão temporária seja avaliado. 

São Paulo compra 105 viaturas blindadas para polícia militar e civil

A polícia ainda procura outros dois envolvidos no crime. Um deles forneceu as informações sobre os bens da vítima. O outro participou do crime.  O grupo usou revólver e pistolas na abordagem e tem passagem por roubo, tráfico de drogas, receptação e furto.

Vítima

De acordo com a polícia, o empresário, de 35 anos, e um funcionário, de 43, foram levados do escritório, na Vila Matilde, zona leste da capital, às 13h do dia 24 de setembro.

Os sequestradores exigiram dinheiro e pedras preciosas, como diamantes e esmeraldas que estariam no cofre da empresa - daí o nome Operação Diamante.

Policiais fazem operação contra pirataria digital em São Paulo

Sem encontrarem as pedras e o dinheiro, o grupo decidiu levar as vítimas, que ficaram por 36 horas em poder do grupo. Suas famílias foram ameaçadas de morte caso o resgate não fosse pago. As vítimas foram liberadas pelos sequestradores sem o pagamento do resgate.

“Acreditamos que soltaram os dois porque a Polícia estava perto de identificar os criminosos”, disse o delegado Eduardo Bernardo Pereira, da 1ª Delegacia Antissequestro. A origem das pedras será motivo de investigação.

Últimas