Coronavírus

São Paulo SP prorroga fase de transição contra a covid-19 até 30 de junho

SP prorroga fase de transição contra a covid-19 até 30 de junho

Taxa de ocupação dos leitos de UTI no estado é de 82,1% e na Grande São Paulo é de 79,4%, segundo Secretaria da Saúde

  • São Paulo | Do R7

Praça Roosevelt, no centro de São Paulo, registra aglomerações

Praça Roosevelt, no centro de São Paulo, registra aglomerações

Arquivo Pessoal

O governo do estado de São Paulo prorrogou, nesta quarta-feira (9), a fase de transição do plano de flexibilização econômica até o dia 30 de junho. Inicialmente, a previsão era de que a etapa se encerrasse no dia 14 de junho. A informação foi anunciada durante coletiva de imprensa no Palácio dos Bandeirantes, na capital paulista.

O estado de São Paulo registrou, na terça-feira (8), 11.189 pacientes internados com covid-19 em unidades de terapia intensiva e 13.358 em enfermarias. No total, o estado soma 24.547 internados. O número supera a previsão dada pelo Comitê de Gerenciamento de Covid-19 do governo paulista para um eventual novo aumento da pandemia.

De acordo com o secretário executivo do Centro de Contingência da Covid, João Gabbardo, houve um aumento no número de internações hospitalares. "O centro de contigência vê com preocupação esse momento, houve uma elevação, ainda que em velocidade pequena, em internações hospitalares e, por isso, recomendou a manutenção dessa fase por mais duas semanas bem como a redução no horário de funcionamento de estabelecimentos em algumas regiões do estado", afirmou.

Segundo Gabbardo, o órgão fará sugestões de medidas restritivas aos municípios com mais 90% de ocupação em leitos de UTI para que eles avaliem a necessidade e a pertinência de adotar medidas mais restritivas do que as previstas no plano de flexibilização econômica. "Ficará a cargo dos municípios a decisão de adotar medidas que acharem pertinentes", disse ele. 

O coordenador do Centro de Contingência da Covid-19, Paulo Menezes, afirmou que embora exista um crescimento no número de casos, ele se dá com uma velocidade inferior àquela verificada nos meses de abril e maio desse ano. "Quero reforçar o aumento de casos e internações, sobretudo, em municipios do interior", afirmou.

"Nessa semana tivemos uma estabilidade nos números que mostra que não temos aquela velocidade de março em abril, mas também mostra que a circulação do vírus é muito alta. Temos 400 casos a cada 100 mil habitantes a cada 14 dias", disse. "A velocidade nas internações é muito menor do que observamos nos meses passados. Hoje temos crescimento de 0,5%, mas chegamos a ter 3% de crescimento no meses de pico da pandemia."

O secretário de saúde do estado, Jean Gorinchteyn, afirmou que houve um aumento de 35,1% no número de casos. Segundo ele, o crescimento se deve ao fato de que o estado estaria fazendo mais testes para detectar a presença do vírus. Gorinchteyn disse ainda que o número de internações teve um incremento de 0,6% e uma queda no número de mortes de 19,5%. 

Últimas