Coronavírus

São Paulo SP prorroga mais uma vez fase de transição, desta vez até 15 de julho

SP prorroga mais uma vez fase de transição, desta vez até 15 de julho

Governo diz que seguiu recomendação de Centro de Contingência do Coronavírus e estendeu etapa prevista para acabar no dia 30

  • São Paulo | Do R7

Após de fase de transição, SP tem aglomerações

Após de fase de transição, SP tem aglomerações

Edson Lopes Jr./R7 - 12.04.2021

O governador de São Paulo, João Doria (PSDB), prorrogou mais uma vez, nesta quarta-feira (23), a fase de transição do plano de flexibilização econômica, desta vez até o dia 15 de julho.

Doria disse que o governo optou por seguir a orientação do Centro de Contingência do Coronavírus de São Paulo. Inicialmente, a fase de transição terminaria no próximo dia 30 de junho.

Mesmo com a nova prorrogação, as regras para funcionamento das atividades econômicas permanecem as mesmas: os estabelecimentos podem funcionar das 6h às 21 horas com, no máximo, 40% de ocupação.

As normas valem para estabelecimentos comerciais em geral, incluindo galerias e shoppings, que também estão autorizados a abrir as portas entre 6h e 21h. O mesmo expediente deve ser seguido por serviços como restaurantes e similares, salões de beleza, barbearias, academias, clubes e espaços culturais como cinemas, teatros e museus.

"É uma informação de cautela e precaução. O governo do estado de São Paulo prorroga a fase de transição até o dia 15 de julho, com os mesmos horários de funcionamento das atividades econômicas que temos nesse momento", disse o governador.

"Estamos na chamada fase de transição. Devido aos índices ainda elevados de casos, internações e óbitos no estado de São Paulo, o governo de São Paulo vai seguir a recomendação do centro de contingência. Lembrando que essa fase inicialmente prevista até 30 de junho foi prorrogada", completou.

Segundo o governo, permanecem liberadas as celebrações individuais e coletivas em igrejas, templos e espaços religiosos, desde que seguidos rigorosamente todos os protocolos de higiene e distanciamento social.

O toque de recolher continua em vigor nas 645 cidades do Estado, das 21h às 5h, assim como a recomendação de teletrabalho para atividades administrativas não essenciais e escalonamento de horários para entrada e saída de trabalhadores dos setores de comércio, serviços e indústrias.

De acordo com o secretário estadual de saúde, Jean Gorinchteyn, a Grande São Paulo registrou uma taxa de ocupação de 74,7% em leitos de UTI covid e, no estado, a taxa registrada foi de 78,9%. Segundo ele, a última vez que o estado apresentou números comparáveis a esses foi em fevereiro desse ano. 

No dia 9 de junho, o governo do estado havia anunciado a prorrogação da fase de transição do plano de flexibilização econômica até o dia 30 de junho. A primeira previsão de ampliação era de que a etapa se encerrasse no dia 14 de junho. Naquele momento, a taxa de ocupação dos leitos de UTI no estado era de 82,1% e na Grande São Paulo, de 79,4%, segundo Secretaria da Saúde.

Impacto da vacinação

O coordenador de Centro de Contingência do Coronavírus, Paulo Menezes, afirmou que o momento atual é diferente das fases anteriores vividas no estado em função do impacto da campanha de vacinação.

"Cada pessoa a mais vacinada é uma pessoa a menos que o vírus encontra para se propagar", disse. "Tivemos da semana passada para cá um aumento no indicador de casos por 100 mil habitantes. Tinhamos em torno 480 casos por 100 mil habitantes a cada 14 dias e isso passou para 520 casos por 100 habitantes, um aumento de 18%", explicou Menezes. 

No indicador de internações por 100 mil habitantes, Menezes descreveu um movimento contrário: "Passamos de 82 por 100 mil para 78 por 100 mil, uma redução de 5% nas internações."

Menezes explicou ainda que o impacto da vacinação no número de casos ou na transmissão do vírus na faixa etária de 60 anos ou mais é limitado. "A contribuição é modesta, no máximo de 15%", afirmou. "Já a faixa etária de 40 a 59 anos contribui com mais de um terço dos casos, 35% no total de casos." Assim, segundo ele, nas próximas semanas será possível observar de forma mais clara o impacto da vacinação dessas duas faixas etárias nas internações.

Em janeiro, segundo ele, os idosos representavam 60% nas internações e, em maio, representam 34%. Nesse período, a faixa de 40 a 59 anos passou de 12% do total de internações para 48%. "Esperamos um grande impacto com a vacinação desse grupo etário", disse.

Municípios do interior

Menezes alertou para a disseminação do vírus nos municípios do interior do estado. "A situação do interior começa a ficar bastante distinta da situação da Grande São Paulo e na Baixada Santista", disse. Segundo Menezes, o Centro de Contingência fez recomendações locais com medidas mais restritivas quando necessárias. "São mais de 100 municípios, com essas medidas além das previstas na fase de restrição", afirmou.

Últimas