SP recebe mais meio milhão de testes para covid-19 da Coreia do Sul

A carga, que faz parte de uma compra de 1,3 milhão de exames, será usada pelo Instituto Butantan para tentar reduzir a subnotificação de infectados 

RT-PCR é tido como um teste mais confiável do que os testes rápidos

RT-PCR é tido como um teste mais confiável do que os testes rápidos

Luca Zennaro/EPA/EFE/03-04-20

Um carregamento de mais 575 mil testes para detecção do novo coronavírus aterrissou em São Paulo na madrugada deste sábado (18). A carga, que faz parte de uma compra de 1,3 milhão de testes, será usada pelo Instituto Butantan para reduzir a subnotificação de pessoas infectadas no estado, onde 928 pessoas já morreram por causa da doença. O primeiro carregamento chegou na madrugada da última terça (14).

Até sexta-feira (17), segundo a Secretaria Estadual da Saúde, 9,4 mil amostras ainda estavam na fila de espera para realização dos testes. O Estado tem 12,8 mil casos confirmados.

"A prioridade (dos testes) é para análise de amostras relativas a óbitos, casos graves e de profissionais da área da saúde", informou o governo do Estado, em nota. A promessa da gestão João Doria (PSDB) é que possam ser feitos até 8.000 testes por dia, e que o tempo de espera entre a coleta de sangue e a entrega do resultado seja de 48 horas.

O teste, chamado RT-PCR, é um tipo de exame que encontra, em uma amostra de sangue, o código genético do coronavírus que provoca a covid-19. É tido como um teste mais confiável do que os testes rápidos.

O avião aterrissou no Estado às 4h50. A carga deve seguir para um depósito do Butantan em Guarulhos, na Grande São Paulo. O avião, vindo da Coreia do Sul, fez uma escala na Alemanha antes de chegar no Aeroporto de Viracopos, em Campinas.

Segundo a DHL, transportadora que fez o frete, o material para os testes veio em uma refrigeração de - 20ºC, supervisionado por farmacêuticos.