SP receberá 1.806 leitos de UTI e 300 respiradores do governo federal

Ministério da Saúde aumentou para 600 o número total de respiradores que serão destinados ao estado para atendimento a pacientes com covid-19

Leitos destinados a tratamento de pacientes com covid-19

Leitos destinados a tratamento de pacientes com covid-19

Divulgação

O estado de São Paulo terá mais 1.806 leitos de UTI (Unidade de Terapia Intensiva) para tratamento de pacientes com covid-19 que serão homologados até a próxima terça-feira (26), com apoio do Ministério da Saúde, anunciou nesta quinta-feira (21) o governador João Doria.

Saiba como se proteger e tire suas dúvidas sobre o novo coronavírus

O número representa um aumento de 45% dos leitos disponíveis no estado, de acordo com Dimas Covas, diretor do Instituto Butantan, coordenador de testes de covid-19 e do Centro de Contingência do Coronavírus.

Doria disse que conversou com o ministro interino da Saúde, Eduardo Pazuello, por telefone na quarta-feira (20). Além da homologação dos leitos, afirmou que o governo federal destinará ainda mais 300 respiradores para o estado de São Paulo, além dos outros 300 que devem chegar até sexta-feira. Ao todo, portanto, serão 600 respiradores destinados o sistema de saúde paulista pelo governo federal. 

Leia também: 'Um dia de paz e entendimento', diz Doria após reunião com Bolsonaro

As datas para entrega dos novos respiradores e também devem a possibilidade de entrega de EPIs (Equipamentos de Proteção Individual) ao estado pelo governo federal serão abordadas nesta tarde em uma reunião do ministro interino da Saúde com o secretário estadual de Saúde, José Henrique Germann e o presidente do Cosems (Conselho de Secretários Municipais de Saúde) e secretário municipal de saúde de São Bernardo do Campo, Geraldo Reple.

Segundo Reple, a liberação do governo federal diminui a possibilidade de médicos terem que decidir quais pacientes deverão usar ventilação mecânica ou não. "Com esses leitos e esses equipamentos, é quase certeza que não temos que ter essa decisão difícil. A pior coisa para o médico é ele ter que escolher 'esse aqui vai pro aparelho, esse não'", afirmou. 

Doria afirmou que leitos e equipamentos "serão imediatamente destinados à capital, Região Metropolitana e Baixada Santista, áreas com maior necessidade para desafogarmos leitos de UTI".

De acordo com o governador, há equipamentos e profissionais habilitados suficientes para atender os pacientes que vão ocupar os novos leitos. De acordo com Germann, há equipes sendo treinadas e retreinadas no Hospital das Clínicas para atuar em todo o estado.