São Paulo SP reduz intervalo da dose adicional da vacina de 5 para 4 meses

SP reduz intervalo da dose adicional da vacina de 5 para 4 meses

Medida, aprovada pelo Comitê Científico do governo, leva em consideração o cenário epidemiológico mundial e a nova variante

  • São Paulo | Do R7

Governo de SP reduz intervalo da dose adicional da vacina contra a Covid-19 de 5 para 4 meses

Governo de SP reduz intervalo da dose adicional da vacina contra a Covid-19 de 5 para 4 meses

Stephane de Sakutin / AFP - 25/11/2021

O Governo de São Paulo vai reduzir de cinco para quatro meses o intervalo da dose adicional da vacina contra a Covid-19 no estado. A medida é uma recomendação do Comitê Científico do Coronavírus diante do atual cenário epidemiológico da doença no mundo e da proximidade das festividades de fim de ano.

A antecipação vale para quem tomou duas doses da CoronaVac, AstraZeneca e Pfizer e vai beneficiar cerca de 10 milhões de pessoas que se vacinaram nos meses de julho e agosto.

A medida levou em consideração que São Paulo é a porta de entrada, via portos e aeroportos, de pessoas de todo o mundo e o Brasil ainda não obriga os viajantes a apresentarem comprovante de esquema vacinal completo.

Nesta semana, o estado confirmou três casos da variante Ômicron, que também já foi diagnosticada em diversos países.

“O estado tem hoje condições logísticas e técnicas de ampliar a vacinação e reduzir o intervalo de aplicação das doses para que todos possam estar ainda mais protegidos. Vale ressaltar também a necessidade de que quem não tomou ainda a segunda dose retorne aos postos de saúde para se imunizar”, destacou o secretário estadual de Saúde, Jean Gorinchteyn.

Já o governador João Doria (PSDB) afirmou nas redes sociais que "São Paulo é porta de entrada do Brasil e o país infelizmente não exige esquema vacinal completo dos viajantes".

Para os que tomaram o imunizante de dose única da Janssen, a dose adicional pode ser aplicada a partir de dois meses. Na ausência da vacina da Janssen, será administrada uma dose de reforço da Pfizer (vacina de RNA mensageiro).

Últimas