Coronavírus

São Paulo SP retoma obras da Fábrica do Samba e planeja Carnaval de 2022

SP retoma obras da Fábrica do Samba e planeja Carnaval de 2022

Preparação para as festividades continua na capital, mas a realização do evento depende da situação da pandemia no período

Cidade de SP retoma obras da Fábrica do Samba e planeja maior Carnaval em 2022

Cidade de SP retoma obras da Fábrica do Samba e planeja maior Carnaval em 2022

Divulgação / Prefeitura de SP

O prefeito de São Paulo, Ricardo Nunes (MDB), visitou nesta sexta-feira (1º) as obras da Fábrica do Samba, na Barra Funda, zona oeste da capital, e prometeu entregar o local pronto em fevereiro de 2022.

A prefeitura mantém os preparativos para o Carnaval, mas a realização do evento depende ainda do avanço da vacinação, da situação da pandemia de covid-19 e de uma autorização da Vigilância Sanitária.

A estimativa é de que, caso ocorra a festa, o Carnaval gere 200 mil empregos diretos na cidade, 2 mil deles só no Sambódromo do Anhembi.

“Estávamos com essa obra parada há anos e retomamos. Fizemos uma inspeção técnica. A paralisação da obra foi ocasionada pela falta de transferência de recursos do governo federal, além dos custos altos para a segurança do local. Assumimos o investimento pela questão de economia e importância para a cidade”, afirmou o prefeito.

Os trabalhos para a finalização da Fábrica do Samba estão sob a responsabilidade do EDIF (Departamento de Edificações), da SIURB (Secretaria Municipal de Infraestrutura Urbana e Obras).

A segunda etapa tem investimento previsto de R$ 21,2 milhões nas obras, R$ 6,2 já liquidados. Os outros R$ 15 milhões, verba que deveria ter sido paga pelo governo federal, será aportado pela prefeitura até o reembolso.

Novo espaço

O espaço foi projetado para dar conforto e segurança para o trabalho das Escolas de Samba e será utilizado por mais sete agremiações.

“A entrega dessa fábrica vai dar um equilíbrio na disputa das escolas do grupo especial e resolver o problema da Fábrica 2, pois poderemos tirar as escolas do grupo especial de lá, então conseguiremos acomodar todo o carnaval”, explicou o presidente da Liga Independente das Escolas de Samba de São Paulo, Sidnei Carriuolo.

A segunda etapa de obras, que teve início em novembro do ano passado, compreende a finalização dos sete galpões do Bloco C, com a realização de pintura, instalação de sistemas elétricos e de hidráulica, implantação de estruturas metálicas, sistemas de segurança e de combate a incêndios, instalação de elevadores, paisagismo, passeios e gradis.

Ao todo, a Fábrica do Samba é composta por 14 galpões, distribuídos em três blocos (Bloco A – 3 galpões, Bloco B – 4 galpões e Bloco C – 7 galpões). Cada galpão tem pé direito de 18 metros, 4 mil m² de área construída, elevadores, cozinha, refeitório, banheiros, vestiários, oficinas de serralheria e marcenaria, ateliê de costura, doca para recebimento de materiais, espaço para reciclagem e área para modelagem dos carros alegóricos.

Os blocos A e B e parte do bloco C foram finalizados em 2016. A chamada Fábrica do Samba 1 começou a ser construída em 2012, tinha inauguração marcada para janeiro de 2015, mas ainda está em obras. Apenas sete das 14 escolas do grupo especial possuem galpões no espaço. 

As escolas que hoje estão abrigadas na Fábrica do Samba 1 são: Águia de Ouro, Gaviões da Fiel, Dragões da Real, Unidos de Vila Maria, Tom Maior, Acadêmicos do Tatuapé e Mancha Verde.

Últimas