SP tem aumento de ações judiciais por inadimplência do aluguel

Disputas na Justiça por imóveis aumentaram em 24% entre junho e julho deste ano. Ações por inadimplência somam 91,4% dos casos, com 1.463 registros

Levantamento é do Secovi-SP (Sindicato da Habitação)

Levantamento é do Secovi-SP (Sindicato da Habitação)

Reprodução Fotos Públicas

A cidade de São Paulo teve um aumento de 24% nas ações locatícias no mês de julho deste ano, em relação ao junho, segundo levantamento do Secovi-SP (Sindicato da Habitação). Ações locatícias são processos judiciais por conflitos entre locatários e locadores de imóvel. Foram 1.600 ações em julho contra 1.290 em junho.

Na comparação com julho do ano passado, quando houve 1.413, a alta é de 13,2%.

Leia mais: Inadimplência no aluguel sobe quase 50% em SP na pandemia

Por outro lado, houve diminuição no número dos processos ajuizados no total dos primeiros sete meses deste ano. De janeiro a julho, foram contabilizadas 7.808 ações, 17% a menos que as 9.406 ações registradas em no mesmo período de 2019. 

Em julho, as ações por falta de pagamento de aluguel foram responsáveis por 91,4% dos casos, com 1.463 registros.

As ações renovatórias compareceram com 57 ações (3,6%), mesmo número e percentual das ações ordinárias- para retomada de imóvel para uso próprio -, que também somaram 57 ações (3,6%). As consignatórias - quando há discordância de valores de aluguéis - totalizaram 23 ações (1,4%).