Novo Coronavírus

São Paulo SP tem menos lixo nas ruas e maior reciclagem durante isolamento 

SP tem menos lixo nas ruas e maior reciclagem durante isolamento 

De acordo com Amlurb, houve queda de 55% no volume de resíduos nas vias e de 12% na coleta comum. Por outro lado, coleta seletiva aumentou 25%

  • São Paulo | Do R7

Por causa da quarentena, há menos lixo nas ruas, mas há maior higienização

Por causa da quarentena, há menos lixo nas ruas, mas há maior higienização

Divulgação / Prefeitura de SP

Com o isolamento social, as ruas de São Paulo ficaram mais limpas na primeira quinzena de abril, segundo levantamento divulgado pela prefeitura. De acordo com a Amlurb (Autoridade Municipal de Limpeza Urbana), houve uma queda de aproximadamente 55% nos dados de varrição em decorrência do menor volume de resíduos nas vias e de 12% na coleta comum. Em contrapartida, a coleta seletiva aumentou 25%.

Leia mais: Comércio de SP pede reabertura dia 1º: 'Não podemos esperar'

Os números são preliminares e, segundo a pesquisa, podem estar ligados à adesão dos paulistanos à reciclagem, assim como uma menor geração de resíduos nas ruas durante o período de quarentena por causa do novo coronavírus.

O serviço de coleta domiciliar comum, que inclui residências e pequenos comércios (que geram até 200 litros ao dia), tiveram uma redução de 12% nos quantitativos. Estima-se que isso se deve ao fechamento temporário de serviços não essenciais no município.

Veja também: São Paulo registra 2ª morte em hospital de campanha por covid-19

Nos primeiros 15 dias do mês, foram coletadas 4 mil toneladas de recicláveis contra 3,2 mil toneladas no mesmo período do ano passado. Os materiais recolhidos vão para as duas Centrais Mecanizadas de Triagem, que possuem capacidade operacional de 500 toneladas de resíduos ao dia, no total. De acordo com a Amlurb, elas operavam com metade da produção e agora já estão em 70% da capacidade.

Varrição

Foram recolhidas 1,8 mil toneladas de resíduos na primeira quinzena de abril, enquanto, em 2019, eram 4,1 mil toneladas, o que representa uma queda de mais de 50%.

Leia ainda: Em SP, consumidores têm canal de denúncias para preços abusivos

A explicação para o fato seria o menor número de pessoas nas ruas, uma vez que, segundo a prefeitura, os planos de trabalho de limpeza não sofreram reduções. Houve, inclusive, a ampliação das equipes para lavagem em torno dos hospitais, pontos de ônibus e terminais de trem e metrô da capital.

Últimas