SP vai alugar 1.500 leitos de UTI em hospitais privados para covid-19

Governo também anunciou contratação de outras 3.000 vagas em enfermaria de hospitais particulares; custo total será de R$ 594 milhões

Estado pretende dobrar capacidade de leitos de UTI

Estado pretende dobrar capacidade de leitos de UTI

Suamy Beydoun/Agif - Agência de Fotografia/Estadão Conteúdo - 8.5.2020

O governo de São Paulo vai alugar 4.500 leitos em hospitais particulares do estado para atender pacientes com covid-19. Destes, 1.500 serão de UTI e os demais de enfermaria.

O anúncio foi feito pelo governador João Doria na tarde desta quarta-feira (20), afirmando que o custo total será de R$ 594 milhões, sendo R$ 432 milhões pelos leitos de UTI e R$ 162 milhões pelos leitos clínicos.

O chamamento público está no Diário Oficial do Estado de hoje e o prazo para a disponibilização das vagas nos hospitais particulares é de 20 dias.

"Com essa medida, São Paulo praticamente dobra o número de leitos disponíveis para o atendimento ao coronavírus", acrescentou Doria.

O estado tinha antes da pandemia 3.500 leitos de terapia intensiva na rede pública. Nos últimos três meses, foram abertos mais 1.624.

O principal centro de tratamento das vítimas da covid-19 em São Paulo é o Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP, que tinha 200 vagas de UTI, capacidade que agora está sendo dobrada.

O HC recebeu doações de R$ 24 milhões em equipamentos, serviços e recursos financeiros para a ampliação da capacidade. Grandes hospitais, como a Rede D'Or, Sírio-Libanês, Albert Einstein, HCor e Beneficência Portuguesa participaram da ação, assim como o Banco BTG Pactual. 

O governador informou que mil pacientes em estado grave que passaram pelo Hospital das Clínicas já foram curados da covid-19.

"Temos sim que agradecer ao corpo clínico do Hospital das Clínicas do estado de São Paulo e aqueles que ali atuam, pois 1.000 pessoas já foram curadas e retornaram às suas casas."

A taxa de ocupação dos leitos de UTI para pacientes infectados pelo novo coronavírus é de 71,7% no estado. Na Grande São Paulo, o índice sobe para 87,9%, o que já demonstra uma sobrecarga no sistema. 

São Paulo tem nesta quarta-feira 10.814 pessoas internadas com confirmação ou suspeita de covid-19, sendo que 4.169 estão em terapia intensiva.