SP vai conceder 'selo de testagem' de covid-19 a empresas

Objetivo é incentivar iniciativa privada a realizar exames em massa nos funcionários, clientes e fornecedores e isolar casos ativos de infecção

Programa vai ajudar a isolar casos ativos de covid-19

Programa vai ajudar a isolar casos ativos de covid-19

Guilherme Dionízio/Estadão Conteúdo

O governo de São Paulo pretende contar com a ajuda da iniciativa privada para ampliar o número de testes de covid-19 em todo o estado.

Para isto, vai conceder uma espécie de 'selo de testagem' para as empresas que realizarem exames em seus funcionários, clientes e fornecedores.

A estratégia faz parte do plano de expansão da capacidade de testagem do governo. As organizações poderão usar testes RT-PCR (que identifica o vírus na fase aguda da infecção) e, adicionalmente, os exames sorológicos (que mostra se a pessoa já teve contato com o vírus no passado).

"O principal objetivo aqui é a identificação de casos ativos e contactantes para isolamento", afirmou nesta segunda-feira a secretária estadual de Desenvolvimento Econômico.

A secretária acrescentou que isso não substitui a estratégia de testagem do governo, mas que serve para complementar, sendo uma demanda das próprias empresas.

"O que o selo de testagem está fazendo, a pedido do setor privado, inclusive, é uma transparência e uma regulação dos protocolos de testagem. Havia muitas dúvidas das empresas que já estavam investindo. Eles receberam uma série de opções de testes, formatos. [Havia] dúvidas de quando fazer o PCR, quando fazer o sorológico."

Leia também: SP fará 233 mil testes sorológicos de covid-19 nas próximas semanas

As inscrições para esse programa serão feitas durante o mês de julho. Os planos de testagem das empresas vão ser analisados e validados pelo Instituto Coalizão Saúde.

Uma das exigências do programa é que todos os testes sejam informados à Vigilância Epidemiológica.

"Falar em testagem em massa sem critérios e sem vincular isso ao monitoramento e à vigilância é desperdício", observou o coordenador-executivo do Centro de Contingência do Coronavírus, João Gabbardo.

No começo do mês, o governo de São Paulo publicou uma resolução que obriga a rede privada a notificar todos os exames de covid-19 realizados, incluindo aqueles que deram negativo.