Novo Coronavírus

São Paulo Tensão cai, mas médicos já veem nova demanda em hospitais de SP

Tensão cai, mas médicos já veem nova demanda em hospitais de SP

Profissionais relatam que, na capital, há maior segurança para tratar infectados. Mas estão exaustos por combate à pandemia há 5 meses

Agência Estado
Tensão cai, mas médicos já veem nova demanda em hospitais da cidade de SP

Tensão cai, mas médicos já veem nova demanda em hospitais da cidade de SP

Lincon Zarbietti/Agif/Estadão Conteúdo -23.06.2020

Passadas a incerteza e a falta de informação iniciais da pandemia, médicos relatam que o momento na cidade de São Paulo é de maior segurança para tratar infectados, mas também de cansaço e exaustão por estarem há cinco meses no combate de um surto que não se sabe exatamente quando irá acabar. Além disso, agora eles têm de lidar com uma nova demanda: de pacientes de outras doenças, muitos após adiar tratamentos e cirurgias, que começam a voltar aos hospitais.

Leia mais: Cerca de 1 milhão de crianças não foram vacinadas devido à pandemia

"No começo, a sensação era de pânico mesmo. Agora é desgaste físico, emocional", diz o infectologista Pedro Campana, que trabalha na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do Hospital Emílio Ribas e na enfermaria do Hospital da Santa Casa de Misericórdia. "Em março e abril, foi muito trabalho para montar o fluxo de atendimento. Era muito estresse por ter de enfrentar uma doença que não se conhecia muito. Faltavam profissionais. Foi muito desgastante."

Nos meses seguintes, houve a contratação de profissionais de saúde em muitos centros de atendimento, a capital paulista montou quatro hospitais de campanha (Pacaembu, Anhembi, Ibirapuera e Heliópolis) e o medo inicial de que poderia faltar leitos e ventiladores não se concretizou. As redes pública e particular de saúde foram pressionadas, mas não entraram em colapso. Ontem, a taxa de ocupação dos leitos de UTI na capital chegou à média geral de 57,8%, enquanto todas as regiões do Estado estão abaixo dos 80%, os menores índices desde o começo da pandemia.

Veja também: Números da covid melhoram em SP, e secretário vê 'luz no fim do túnel'

Reflexo da queda desses números é que a tenda montada na Santa Casa para fazer o atendimento inicial de pacientes sintomáticos respiratórios foi desmontada há duas semanas. "O fluxo diminuiu claramente. Antes, tinha 30 a 40 pacientes na enfermaria. Agora está entre 10 e 20", conta Campana. O Hospital do Pacaembu foi fechado e a Prefeitura já desativou parte dos leitos no Anhembi.

Isso não significa que os problemas acabaram. "Nosso desafio agora é não entrar em burnout (esgotamento físico e mental ligado à vida profissional)", diz o médico. Pesquisa com 1.257 profissionais de saúde da China, de março, mostrou que 71,5% relataram angústia e metade disse ter sintomas de depressão.

Nova demanda

O infectologista Natanael Adiwardana atende em dois hospitais privados e em um público da capital. A rotina está "corrida", com poucas mudanças de março para agora. Ele contou que a diminuição dos casos de covid-19 tem sido substituída pelo aumento da demanda que havia sido reprimida nos primeiros meses de pandemia.

Leia ainda: SP faz 3 milhões de testes de covid-19 e amplia média diária de exames

"Cirurgias eletivas que foram desmarcadas, por exemplo; coisas que não eram urgentes estão voltando. E de forma mais agravada", afirma. "Demandas que sumiram no auge da pandemia, como diabete e pressão alta, aparecem um pouco mais descompensadas", ressalta.

Os hospitais estão tendo de se readaptar às mudanças. Os protocolos de controle da pandemia continuam existindo, mas o gerenciamento tem sido alterado. "Se antes em um hospital a proporção era de oito alas de UTI de covid para um para outros pacientes. Agora já é de sete para dois, seis para três", diz Adiwardana.

Segundo Campana, a recomendação de evitar a ida aos hospitais durante a quarentena teve reflexo para alguns grupos - como os pacientes de HIV, uma vez que os serviços hospitalares voltados para eles foram usados por pacientes de covid - e elevar casos de outras doenças, como tuberculose.

Veja mais: Cidades de SP não avançam nem regridem em plano de reabertura

A melhor compreensão sobre o coronavírus também traz alertas. A capital ter chegado a um platô no número de casos é óbitos não é sinal de que a pandemia está próxima do fim. "É cruel, porque agora existe um determinante social bem definido. A doença vai ficar mais concentrada em quem utiliza o transporte público, nos bairros periféricos. A tendência é que o SUS (Sistema Único de Saude) fique mais cheio do que os hospitais particulares. Para quem é mais abastado, tem aquela parte descolada que acha que acabou, que quer consumir, ir a restaurante, frequentar o bar. Mas ignoram quem é que trabalha nesses lugares", diz Campana.

Últimas