Trabalho de remoção de escombros deve durar pelo menos 15 dias

Depois de três dias trabalhando para remover os destroços e encontrar as vítimas desaparecidas, os bombeiros retiraram 20% do entulho

Bombeiros trabalham no local onde o edifício desabou desde terça-feira (1)

Bombeiros trabalham no local onde o edifício desabou desde terça-feira (1)

Fabio Vieira / Estadão Conteúdo

O trabalho de remoção dos escombros após o desabamento do Edifício Wilton Paes de Almeida, no Largo do Paiçandu, deve durar pelo menos 15 dias. Segundo o tenente-coronel Ricardo Peixoto, até a tarde desta sexta-feira (4) 20% do material foi retirado.

Os bombeiros buscam vítimas do desabamento do prédio, que foi abaixo na terça-feira (1º) após pegar fogo. Nesta sexta-feira, um corpo foi localizado, mas a identidade da vítima não foi confirmada. O corpo era tatuado e teve as digitais preservadas. O secretário da Segurança Pública Mágino Alves esteve no local e disse que será feito um exame papiloscópico para identificar o corpo pelas digitais.

Primeiro corpo é encontrado nos escombros de prédio que desabou

Os bombeiros ainda buscam por Selma Almeida da Silva, de 48 anos, e seus dois filhos gêmeos (Welder e Wender, de 9 anos), que estariam no 8° andar do prédio. Também entraram na lista oficial de desaparecidos mais duas pessoas: Eva Barbosa Silveira, de 42 anos, e Valmir Souza Santos, de 47. No total, 49 pessoas não foram encontradas.

Na manhã desta sexta-feira, uma lona azul foi instalada nos fundos do edifício, próximo ao prédio Caracu, para a proteção dos bombeiros. "Colocamos para evitar escorregamentos e que escombros caiam sobre os bombeiros", afirmou o comandante Max Mena.

Filhote de 9 meses ajuda cães em buscas de prédio que desabou