Últimos pacientes deixaram hoje o hospital de campanha do Pacaembu

Unidade atendeu mais de 1.500 pacientes com covid-19 desde 6 de abril. Equipamentos serão transferidos para três hospitais da zona leste

Últimos pacientes deixaram hoje o hospital de campanha do Pacaembu

Últimos pacientes deixaram hoje o hospital de campanha do Pacaembu

VAN CAMPOS/THENEWS2/ESTADÃO CONTEÚDO - 29/06/2020

Os últimos pacientes com covid-19 do hospital de campanha do Pacaembu, na zona oeste de São Paulo, deixaram a unidade na manhã desta segunda-feira (29). A prefeitura encerrou as atividades no local após quase três meses de funcionamento.

O prefeito Bruno Covas (PSDB) esteve no equipamento de saúde para acompanhar a alta médica dos dois últimos pacientes, Nilza e Nélio. "Não teria sentido a gente manter uma estrutura deste tamanho, com 600 profissionais, para 2 ou 3 pacientes", justificou.

Segundo Covas, a curva de contaminação pelo novo coronavírus não apresenta alta: "Estamos colecionando estabilização ou redução de casos. Temos 11 solicitações de leitos de UTI, antes eram 80 ou 90 por dia. A curva não aponta necessidade de ampliação dos leitos. Estamos com 50% de ocupação de UTI na cidade".

Após a sanitização do espaço e aparelhos com ultravioleta, os equipamentos, como respiradores e oxímetros, camas e colchões, serão transferidos para três hospitais da zona leste: São Miguel, Cidade Tiradentes e Itaquera. De acordo com o secretário municipal de saúde, Edson Aparecido, "esta é a região onde o inquérito sorológico apontou maior mortalidade proporcional da doença".

Leia mais: São Paulo vai multar em R$ 500 quem estiver sem máscara

O hospital de campanha do Anhembi, na zona norte, não tem previsão para ser fechado. De acordo com o prefeito, há uma reforma no teto da unidade e poderão ser usados mais 900 leitos naquela ala a partir de setembro.

Desde inauguração da estrutura, mais de 1.500 pacientes foram atendidos

Desde inauguração da estrutura, mais de 1.500 pacientes foram atendidos

Rahel Patrasso/Reuters - 31.03.2020

Números

Desde a inauguração em 6 de abril, o hospital de campanha do Pacaembu atendeu 1.515 pacientes. Segundo o prefeito, a previsão de custo inicial do hospital era de R$ 28,4 milhões, mas o gasto final foi de R$ 23 milhões.

Nesse período, foram dadas 1.219 altas médicas e outros 293 pacientes foram transferidos para hospitais. O tempo médio de internação foi de 5,2 dias.

Do total de pacientes, 405 utilizaram a sala de estabilização (estrutura de terapia intensiva). Destes, 91 necessitaram de intubação para ventilação mecânica. Dos internados, 54% eram homens e 51% idosos, com taxa de sobrevida de 99,8%, uma vez que ocorreram três óbitos na unidade.

Veja também: SP registra queda do número de mortes semanais por covid-19

O hospital contava com 200 leitos, sendo oito de estabilização, 588 profissionais entre médicos, enfermeiros, auxiliares de enfermagem, farmacêuticos, biomédicos, fisioterapeutas, assistentes sociais, psicólogos, além de áreas como limpeza, logística e segurança.

“Nas próximas semanas, devemos inaugurar mais 180 leitos, tanto no Hospital Sorocabana, na reabertura do primeiro piso, quanto na Brigadeiro Luís Antônio, no espaço onde ficava uma área administrativa da Secretaria Municipal da Saúde”, afirmou Covas.

Leia ainda: Mais de 600 estabelecimentos são interditados na quarentena em SP

A cidade avança para a fase amarela do Plano São Paulo e o prefeito destacou que nenhum paciente deixou de ser atendido na rede pública: "Várias cidades do mundo passaram pela experiência em que o médico tinha que escolher quem era atendido e quem não era. Isso não aconteceu e nem vai acontecer na cidade de São Paulo. Ninguém também ficou sem enterro digno”, concluiu.