Coronavírus

São Paulo Variante Delta não deve atrasar flexibilização em SP, prevê governo

Variante Delta não deve atrasar flexibilização em SP, prevê governo

Mais transmissível, cepa do coronavírus já foi identificada em ao menos três cidades paulistas. No estado são 9 casos confirmados

Agência Estado
Variante Delta não deve atrasar flexibilização no estado de São Paulo, prevê governo

Variante Delta não deve atrasar flexibilização no estado de São Paulo, prevê governo

Pixabay

O governo do estado  de São Paulo disse nesta quarta-feira (21) que deve anunciar novas medidas de flexibilização das restrições de atividades econômicas no próximo dia 28. A transmissão comunitária da variante Delta, segundo o vice-governador Rodrigo Garcia (PSDB), não traz a "expectativa" de atraso nos planos de reabertura. Mais transmissível, essa cepa do coronavírus já foi identificada em ao menos três cidades paulistas - a capital, Guaratinguetá e Pindamonhangaba.

As medidas restritivas atuais incluem limite de 60% da capacidade de comércio, restaurantes e bares e funcionamento até 23 horas. Essas regras valem até o fim de julho e deve haver mudança a partir de agosto.

Presidente do Instituto Butantan, Dimas Covas afirmou que a Delta, identificada na Índia, preocupa não só o estado de São Paulo, mas o Brasil. "Tudo indica que ela terá uma importância epidemiológica", disse o cientista.

De acordo com ele, é planejado um aumento do número de amostras de pacientes sequenciadas nas duas cidades do interior onde a Delta foi identificada e será feito um estudo para mapear o avanço da variante no Vale do Paraíba.

Covas ainda afirmou que há testes previstos para medir a eficácia da CoronaVac contra a cepa. Estudos já mostraram que apenas a primeira dose de um imunizante não é suficiente para barrar a infecção nos casos dos imunizantes da AstraZeneca e da Pfizer. Já a aplicação de duas doses se mostrou suficiente contra a cepa.

Máscaras

Na Europa, o avanço da Delta tem levado a um aumento de infectados e freado planos de reabertura. Coordenador do Centro de Contingência contra a Covid-19, Paulo Menezes afirmou que a alta ocorreu em cidades do exterior onde a exigência de máscaras foi relaxada - o que, segundo ele, não é previsto para este momento no estado. Alguns deles, acrescentou Menezes, "estão tendo de voltar atrás".

"O que nós temos é um tripé: a vacinação, o bloqueio, monitoramento dos contactantes (com infectados pela Delta) e a manutenção das regras sanitárias", afirmou o secretário estadual da Saúde, Jean Gorinchteyn.

"O estado de São Paulo pode sim flexibilizar, mas mantendo essas regras de prevenção, que são ampliar a vacinação e também fazer as regras de utilização de máscaras e evitar as aglomerações", acrescentou o secretário. O governo também destacou a queda no número de internados e mortes pela covid.

A Delta já foi identificada em ao menos nove estados. Por causa da variante, alguns governos - como Rio e Distrito Federal - decidiram liberar a antecipação da 2ª dose AstraZeneca para ter parcela maior da população com proteção completa. São Paulo, porém, manteve o intervalo de três meses.

Já o governo federal tem enviado lotes extras de vacinas aos estados da fronteira. A medida, porém, contrariou gestores de outras regiões, como o governador Rui Costa (PT), da Bahia, que reclamou de discriminação, alertou para o risco da chegada da variante por voos e navios e prometeu medidas judiciais.

Últimas