Novo Coronavírus

São Paulo Vendas voltam a crescer em julho, diz Associação Comercial de SP

Vendas voltam a crescer em julho, diz Associação Comercial de SP

Segundo balanço, vendas a prazo tiveram alta de 23,1% na comparação com primeira quinzena de junho e, à vista, o crescimento foi de 14,9%

Com flexibilização, vendas crescem em julho, diz Associação Comercial de SP

Com flexibilização, vendas crescem em julho, diz Associação Comercial de SP

Anderson Lira / Estadão Conteúdo / 13.06.2020

Com a flexibilização da capital paulista para a fase amarela do Plano São Paulo no último dia 6, as vendas no comércio melhoraram na primeira quinzena de julho, de acordo com balanço da Associação Comercial de São Paulo. As vendas a prazo tiveram alta de 23,1% na comparação com o mesmo período de junho e, à vista, o crescimento foi de 14,9%.

Leia mais: Prefeitura cancela festa de Ano-Novo na avenida Paulista

Com a liberação da abertura de academias e a ampliação do horário de funcionamento do comércio de rua e shoppings por mais duas horas, o movimento médio aumentou 19% em relação ao mesmo período de junho. 

Com a extensão do horário, gradativamente, o consumidor têm voltado às compras, segundo o economista da Associação Comercial de São Paulo, Marcel Solimeo. De acordo com ele, setores como de móveis, utensílios domésticos e tecnologia têm se beneficiado da própria conjuntura.

Veja também: Brasil ainda tem 10,3 milhões afastados do trabalho por pandemia

Mas a recuperação das vendas do comércio ainda está muito distante da verificada no ano passado: a queda média, na primeira quinzena de julho, ficou em 58,3% na comparação com o mesmo mês de 2019.

Segundo o levatamento, no movimento de vendas a prazo, o recuo foi de 40,3%. Já as vendas à vista registraram um tombo ainda maior: 76,3%.

Leia ainda: Maioria dos demitidos na pandemia espera voltar ao trabalho este ano

Com forte queda de 41,6% entre janeiro e maio, as vendas de vestuário também tiveram uma ligeira melhora nos primeiros quinze dias de julho. Mas influenciaram o resultado ainda negativo das vendas do comércio na comparação anual. “Uma melhora significativa depende de mais gente circulando, já que compra por impulso é muito importante para o setor. Este é um dos que devem demorar a retomar”, concluiu o economista.

Últimas