Vídeo mostra chegada da PM no baile funk em Paraisópolis

Após ação da Polícia Militar, nove jovens entre 14 e 23 anos morreram; imagens mostram pessoas se dispersando com aparição das viaturas

Imagens obtidas pela reportagem do R7 mostram a chegada da Polícia Militar no Baile da Dz7, em Paraisópolis, na madrugada do último domingo (1º), em ação que resultou na morte de nove jovens entre 14 e 23 anos.

No vídeo, motociclistas que estavam no local mudam de rota ao se depararem com cinco motos da PM. Instantes depois, em um intervalo de cerca de seis minutos, duas viaturas passam em alta velocidade pela mesma rua, o que dispersa as pessoas presentes no local e as fazem correr para outras direções.

Às 4h, alguns minutos depois da passagem dos primeiros carros da Polícia, ao lado de uma viatura parada, um militar joga no meio da rua uma bomba de efeito moral, que explode em menos de cinco segundos.

Veja também: chamado de jovem agredida ao Samu em baile funk foi cancelado

Camera - Paraisopolis

No minuto seguinte, o mesmo agente joga uma segunda bomba. Cerca de dez minutos depois, a viatura então parada adentra pela rua onde as bombas foram jogadas.

Para o advogado Ariel de Castro Alves, membro do Condepe (Conselho Estadual de Direitos Humanos), que acompanha o caso, estas imagens “indicam que os jovens foram encurralados com o cerco e ação violenta da polícia”.

Posicionamento sobre as ações em Paraisópolis

Até o momento, o Governo do Estado de São Paulo afirma que não mudará as diretrizes das ações da Polícia Militar em bailes funk como no domingo em Paraisópolis.

Nesta terça-feira (2), o MP-SP (Ministério Público do Estado de São Paulo), por meio de Gianpaolo Smanio, seu procurador-geral de Justiça, falou em homicídios, mas não responsabilizou a Polícia Militar.

Também na tarde desta terça, a Secretaria Municipal de Saúde emitiu nota oficial afirmando que uma chamada classificada como alta prioridade foi cancelada por parte do Comando do Corpo de Bombeiros.

A Secretaria de Segurança Pública, por sua vez, disse que o Corpo de Bombeiros foi ao local solicitado, mas não conseguiu acesso às vítimas pois foram hostilizados. Além disso, informou que a Corregedoria da Polícia Militar instaurou inquérito e apura todas as circunstâncias do fato.