São Paulo Vítimas da tragédia com ônibus são veladas em ginásios de Itaí (SP)

Vítimas da tragédia com ônibus são veladas em ginásios de Itaí (SP)

Ao todo, foram sepultados 32 corpos desde a noite da quarta-feira (25) na cidade. Causas do acidente são investigadas pela polícia de Taguaí (SP)

  • São Paulo | Do R7

Ao todo, foram velados 32 corpos na cidade de Itaí, interior de SP

Ao todo, foram velados 32 corpos na cidade de Itaí, interior de SP

Reprodução Record TV

O velório de parte das 41 vítimas que morreram no acidente envolvendo um ônibus e um caminhão no km 172 da Rodovia Alfredo de Oliveira Carvalho, em Taguaí, interior de São Paulo, ocorre na manhã desta quinta-feira (26), em Itaí. 

Leia mais: Governo de SP convoca doadores de sangue após acidente em Taguaí

"A dor é muito grande. O idela era que o ônibus estivesse com 50% da capacidade de ocupação de passageiros", afirmou Dorival Pacheco, que perdeu a mulher e o genro de 25 anos na tragédia. "Deixar o primeiro filho com menos de dois anos é muito triste. Vamos ter que entrar com uma medida judicial para tentar amenizar a dor", afirmou.

Veja ainda: Corpos de vítimas da tragédia com ônibus em Taguaí são identificados

O velório ocorre no ginásio central de Itaí e segue regras de distanciamento social em função da pandemia do corornavírus. Há também outro corpo velado em outro ginásio. Cada família tem 2 horas para velar o corpo. Foram sepultados 18 corpos em Itaí desde a noite da quarta-feira (25). Ao todo, foram sepultados 32 corpos na cidade e 9 foram levados a outros municípios. Alguns foram velados em residências e igrejas. 

A força-tarefa, montada pelo governo estadual, concluiu na madrugada desta quinta-feira (26), a identificação e liberação dos corpos das 41 vítimas fatais do acidente ocorrido na manhã da quarta-feira (25) envolvendo um ônibus e um caminhão que colidiram no km 172 da Rodovia Alfredo de Oliveira Carvalho, em Taguaí, interior de São Paulo.

Veja ainda: Doria se solidariza com famílias das vítimas de acidente no interior de SP

Além dos policiais militares e bombeiros que, desde as primeiras horas da manhã, atuaram no resgate das vítimas e na preservação do local do acidente, cerca de 50 profissionais das polícias Civil e Técnico-Científica participaram das atividades da força-tarefa tanto na região de Taguaí quanto na capital paulista.

Últimas