Novo Coronavírus

São Paulo Vítimas de violência doméstica recebem orientações na estação Luz

Vítimas de violência doméstica recebem orientações na estação Luz

Iniciativa da Polícia Civil e do Metrô pretende informar mulheres sobre os canais de denúncia e redes de apoio durante a pandemia do coronavírus

  • São Paulo | Do R7

Metrô oferece orientação às vítimas de violência doméstica na Estação Luz

Metrô oferece orientação às vítimas de violência doméstica na Estação Luz

Reprodução/Migalhas

O Metrô e a Polícia Civil de São Paulo fazem uma ação de orientação às vítimas de violência doméstica nesta sexta-feira (21), das 7h30 às 13h, na estação Luz da Linha 1-Azul. Isto porque, com a pandemia, as mulheres passaram a ficar mais tempo em casa na companhia do agressor.  

Ao mesmo tempo que o isolamento é uma medida necessária para evitar a propagação do novo coronavírus, aumentaram os registros de violência doméstica.

Leia mais: SP registra cinco casos de violência doméstica a cada 2h na pandemia

Durante a ação, as interessadas serão acolhidas e orientadas pela delegada Maria Valéria Pereira Novaes de Paula Santos, titular da 1ª DDM (Delegacia de Polícia de Defesa da Mulher) e da Delegacia de Polícia da Pessoa com Deficiência, e por uma equipe.

No local, serão dadas orientações a todos que queiram conhecer os canais de denúncia e as redes de apoio às vítimas de violência doméstica.

Veja também: A cada dois minutos, uma mulher é vítima de violência doméstica

Desde abril, o boletim de ocorrência por violência contra a mulher pode ser feito pela delegacia eletrônica, ou seja, pela internet. Mesmo assim, as notificações caíram nos três primeiros meses da quarentena: a 1ª DDM registrou 655 ocorrências.

Em março, foram 306 queixas, 179 em abril e 170 em maio, contra 699 casos entre janeiro e fevereiro. Com o início da flexibilização da quarentena, segundo a polícia, aumentaram os registros de violência doméstica: foram 247 em junho e 291 em julho.

Leia ainda: Twitter lança ferramenta de combate à violência doméstica

De acordo com a polícia, os números não significam queda, mas sim uma subnotificação, já que a denúncia, muitas vezes, foi dificultada pela proximidade do agressor.

Comparando os meses de março e abril de 2019 com o mesmo período deste ano, a Secretaria de Segurança Pública de São Paulo registrou alta de 41,3% nos casos de feminicídio no estado. O período corresponde ao início da quarentena.

Hoje, a Polícia Civil possui 134 DDMs distribuídas por todo o estado, sendo dez unidades com atendimento integral: três no interior e sete na cidade de São Paulo. Todas as delegacias permanecem abertas mesmo durante a pandemia.

Últimas