São Paulo "Vivemos um fim de semana trágico e tenso", diz general Campos

"Vivemos um fim de semana trágico e tenso", diz general Campos

Nos últimos dois dias, um jovem morreu na zona sul durante abordagem policial e três PMs morreram após abordagem a um falso policial 

  • São Paulo | Do R7

Secretário diz que fim de semana de mortes foi trágico e tenso

Secretário diz que fim de semana de mortes foi trágico e tenso

General João Camilo Pires de Campos

O secretário de segurança pública, o gerenal João Camilo Pires de Campos, afirmou, nesta segunda-feira (10), que São Paulo viveu um fim de semana "trágico e tenso", ao se refirir à morte de um jovem durante uma abordagem policial na zona sul de São Paulo e dos três policiais militares que morreram baleados após uma abordagem a um falso policial civil na região da zona oeste da cidade.

"Vivemos um fim de semana trágico e tenso. Ontem às 15h estava saindo do cemitério do Morumbi onde fomos enterrar o soldado que morreu no sábado", afirmou em relação a um dos policiais militares que morreu durante a madrugada.

Veja também: Três PMs são mortos durante abordagem na zona oeste de SP

Em relação ao caso do jovem que morreu durante uma abordagem policial na região do Parque Bristol, zona sul da capital paulista, por volta das 18 horas do domingo (9), Campos afirmou que está sendo investigado pelo DHPP quanto na Polícia Militar.

"Também é trágico. Temos que considerar a atenção policial em uma perseguição de uma motocileta que tudo indiciava que estaria como fruto de um roubo. O episódio teve o desfecho que teve, lamentamos muito, mas estamos com atenção as investigações do DHPP da Polícia Civil, do inquérito da Polícia Militar e da Corregedoria", disse o secretário.

Leia também: Homem que matou três PMs em SP fingia para a família ser policial civil

"Todos os aspectos serão analisados, há testemunhas, há gravações de vídeo, tudo com rigor e serenidade para elucidar esse momento. Os dois envolvidos são excelentes policiais, cumpridores de normas e regras, e esperamos que possam ter justificativas que possam ser plausíveis", acrescentou Campos.

O caso

De acordo com a versão da polícia, um homem, em atitude suspeita, estava dirigindo uma moto sem placa na avenida dos Pedrosos, na altura do número 227. Ele foi abordado por integrantes da Rocam (Rondas Ostensivas com Apoio de Motocicletas), mas não parou.

Segundo o boletim policial, ocorreu uma perseguição, durante a qual o suspeito teria tentado derrubar uma das motos da patrulha. Ao ser parado, os agentes afirmaram que o suspeito desceu da motocicleta e colocou a mão na cintura, simulando estar armado.

Neste momento, um dos policiais disparou contra o homem. O jovem chegou a ser socorrido por pessoas que estavam no local, segundo os policiais, e acabou levado a um pronto-socorro onde morreu.

De acordo com moradores da região, o jovem seria Rogério Ferreira da Silva Júnior, que completou 19 anos no domingo. Nas redes sociais, conhecidos do rapaz alegaram que o tiro que levou ao óbito ocorreu sem que Silva fizesse qualquer menção de reação.

A situação, ainda conforme os moradores, causou tumulto, até que o jovem fosse atendido por uma enfermeira e levado ao hospital do Sesi.

Policiais mortos

De acordo com informações da Polícia Militar, os agentes estavam em patrulhamento pela região quando desconfiaram da atitude suspeita de um veículo que trafegava pela avenida Escola Politécnica, no bairro do Rio Pequeno, região da zona oeste de São Paulo.

No momento da abordagem, o ocupante do veículo atirou contra os agentes e os policiais revidaram. Após troca de tiros, os três policiais foram alvejados. Eles chegaram a ser encaminhados ao pronto socorro do Hospital Universitário, mas não resistiram e morreram.

O homem que efetuou os disparos portava um documento falso como policial civil e também foi atingido, morrendo no local. A Polícia Militar segue no endereço preservando a via para a chegada da perícia. Uma das faixas da avenida Escola Politécnica segue interditada.

Um segundo suspeito, que estava no veículo junto ao que atirou contra os policiais, não se feriu e está na delegacia para prestar esclarecimentos.

A delegacia que atende a área é o 93° DP (Jaguaré), que fica localizado a cerca de um quilômetro do local dos tiros.

Últimas