São Paulo Vizinho detalha assassinato de zelador: “Me arrependi quando ele caiu, mas não tinha o que fazer”

Vizinho detalha assassinato de zelador: “Me arrependi quando ele caiu, mas não tinha o que fazer”

O vídeo do depoimento foi concedido pela polícia ao Cidade Alerta, com exclusividade

Vizinho detalha assassinato de zelador: “Me arrependi quando ele caiu, mas não tinha o que fazer”

O publicitário Eduardo Tadeu Pinto Martins, de 47 anos, que confessou ter assassinado seu vizinho, o zelador Jezi Lopes de Souza, de 63 anos, contou detalhes do crime à polícia. Ele revela que se arrependeu quando o idoso caiu morto no chão, mas já era tarde.

— Me arrependi quando ele caiu, mas não tinha o que fazer.

No vídeo fornecido com exclusividade para o Cidade Alerta, não é possível saber exatamente como foi o início da briga entre os vizinhos, mas, segundo Martins, os dois acabaram caindo dentro do apartamento depois de uma discussão, na tarde de sexta-feira (30).

O zelador estava entregando cartas no 11º andar do prédio, localizado na Casa Verde, zona norte da capital, quando se assustou com o publicitário, que acabava de sair da porta da lixeira. Durante a discussão, os dois caíram no chão e Souza acabou batendo a cabeça na quina da porta.

Leia mais notícias de São Paulo

— A gente se agarrou e, no puxa para lá e puxa para cá, ele deu com a cabeça na quina da porta. Eu o chacoalhei e me desesperei. Chequei os sinais vitais e vi que estava morto.

Martins disse que não sabia mais o que fazer e decidiu enrolar o corpo em um cobertor e colocá-lo dentro de uma mala. A mala já estava com roupas que seriam doadas para uma igreja. O publicitário, então, retirou as roupas da mala e as colocou em um saco.

Quando a advogada Ieda Martins, mulher do publicitário, chegou com o filho, Martins sugeriu que eles doassem as roupas. Ele a deixou no escritório com a criança e seguiu para a igreja. Em seguida, ele foi para a Praia Grande, litoral de São Paulo, onde seu pai tem uma casa.

— A marginal estava parada e, quando eu cheguei à igreja, já estava fechada. Aí, eu vim para cá (Praia Grande). Voltei para São Paulo, peguei minha mulher e saímos para jantar.

No dia seguinte, o publicitário voltou à Praia Grande para buscar o pai. No domingo (1º), ele disse à mulher que precisava resolver alguns problemas e voltou ao litoral. Mais tarde, ele esquartejou o corpo do zelador.

— Aí, foi quando eu preparei tudo para ver o que ia fazer. Foi quando eu decidi cortá-lo com um serrote. Eu enrolei plástico no banheiro porque ele estava cheirando muito e o cortei.

O publicitário ainda revela que pôs fogo em algumas partes do corpo da vítima.

Motivos banais motivaram crimes que chocaram o País

Assista ao vídeo: