São Paulo Zona leste de São Paulo sofre com alagamentos há mais de 20 dias

Zona leste de São Paulo sofre com alagamentos há mais de 20 dias

Moradores da Vila Itaim, na periferia da capital paulista, reclamam de descaso e relatam como as enchentes na região têm prejudicado suas rotinas

Após fortes chuvas, zona leste continua sofrendo com alagamentos

Chuvas afetam vida dos moradores da Vila Itaim, zona leste de São Paulo

Chuvas afetam vida dos moradores da Vila Itaim, zona leste de São Paulo

Edu Garcia/R7

As chuvas e os alagamentos atrapalham os habitantes da Vila Itaim, na zona leste de São Paulo, há mais de 20 dias. Após fortes pancadas na manhã desta terça-feira (26), os moradores da região relataram à reportagem do R7 sobre os prejuízos causados e como os problemas aumentaram na região.

O comerciante Mário Cardoso diz que a situação das enchentes piorou drasticamente desde a construção da Ponte do Vila Any, inaugurada em dezembro de 2016: “Erraram com os bueiros, deixaram para baixo da altura do rio [Tietê]. E aí, quando chove, demora uns cinco ou seis dias para baixar. A situação está assim desde que a construção terminou”.

Veja também: Mães relatam drama dos filhos com enchentes na zona leste de SP

“Tem gente que nem vai para casa, porque fica alagada. Acabam dormindo na casa dos outros”, diz Cardoso, que lamenta a falta de solução no local: “Falam que vão vir resolver. Mas vir, não vêm. Prefeitura promete, promete, mas não resolve. Só promessa, mais nada”.

Ederci Pereira, dona da casa que mora na região há 40 anos, se mostra triste com os alagamentos. “A avenida aqui do bairro (Av. Brás da Rocha Cardoso) está cheia de água, lotada... Uma situação muito triste. Não melhorou nada”.

Assim como Mário, Dona Ederci também afirma que a construção da Ponte do Vila Any foi o início dos problemas: “Começou a alagar tudo desde que construíram [a ponte]. Depois disso, toda vez que chove dá enchente”.

Para ela, os problemas vividos pela população da Vila Itaim representam “um fracasso das autoridades”. “Prometem que vão fazer algo e não fazem nada. Fica difícil”. Foi por conta das enchentes que a dona da casa quase viveu um sério drama com sua filha, portadora de deficiência mental.

Com seu 'barraco' ilhado, ela não podia pegar os documentos necessários para que sua filha fizesse exames e fosse operada. Ederci conta que graças a um amigo, que conseguiu entrar no local e pegar os documentos, Janaína Pereira, 20, não perdeu seus compromissos médicos. 

Carros passam por avenida com dificuldades na Vila Itaim

Carros passam por avenida com dificuldades na Vila Itaim

Edu Garcia/R7

“Quando eu ligava, os bombeiros diziam que era [problema da] Prefeitura, e a Prefeitura me mandava para os bombeiros, que aí mandavam pra Defesa Civil. Ninguém me ajudou. Ainda bem que meu amigo conseguiu pegar os documentos. Ela conseguiu fazer os exames”, diz ela. 

Além das dificuldades para recuperar seus pertences, a mãe está vivendo na casa de amigos e familiares, sem poder ficar no seu lar. 

Outro lado

O Governo do Estado de São Paulo afirmou, em nota, que está investindo R$ 117 milhões na construção do pôlder da Vila Itaim para minimizar o impacto das chuvas na região.

A obra, segundo o comunicado, é prioridade da atual gestão e tem previsão de entrega no final deste ano. As desapropriações de 145 imóveis começaram em dezembro 2017 e parte foi judicializada, o que atrasou as remoções. Até o momento, 55% dos trabalhos foram concluídos. Seis bombas móveis cedidas pelo DAEE estão no local auxiliando os trabalhos de drenagem.

A reportagem do R7 procurou pelo DAEE e enviou ao departamento questionamentos a respeito da construção do pôlder, que, inicialmente, tinha previsão de conclusão para maio de 2018.

Em resposta, o DAEE afirmou que a obra na Vila Itaim é prioridade da atual gestão e a previsão de entrega do pôlder é no final deste ano.

Questionado sobre o atraso nas datas de entrga, o departamento disse que as desapropriações de 145 imóveis começaram em dezembro 2017 e parte foi judicializada, o que alterou o cronograma. Até o momento, de acordo com o comunicado, 55% dos trabalhos foram concluídos. Seis bombas cedidas pelo DAEE estão no local auxiliando os trabalhos de drenagem.

O DAEE ainda afirma que tem atuado em parceria com a Subprefeitura Regional de São Miguel Paulista da Prefeitura Municipal de São Paulo, com execução de limpeza nas bocas-de-lobo, nas redes de drenagem e no estabelecimento de plano de contingência.

A Prefeitura de São Paulo, em nota, disse que a Subprefeitura São Miguel realiza constantemente ações de manutenção e zeladoria na Vila Itaim. As equipes, segundo o comunicado, trabalham diariamente com dois caminhões sugadores, além de seis bombas disponibilizadas pelo Departamento de Água e Energia (DAEE), devido ao alagamento.

A nota ressalta que a Defesa Civil do Munícipio de São Paulo realiza o monitoramento das ações na região e auxilia no transporte diário das crianças para as creches.

De acordo com o comunicado, desde o início deste ano a Vila Itaim recebe reforço de limpeza e varrição.

Você tem alguma denúncia? Envie um e-mail para denuncia@r7.com

Galeria: Veja os reflexos das enchentes na periferia da zona leste de São Paulo