Coronavírus

Saúde Adiantamento da vacinação pode ajudar a conter mortes da covid

Adiantamento da vacinação pode ajudar a conter mortes da covid

Antecipação leva à redução da taxa de transmissão da doença, mas não é passaporte para aglomeração e volta da vida normal

  • Saúde | Carla Canteras, do R7

Mais oferta de vacinas possibilitou antecipação de imunização

Mais oferta de vacinas possibilitou antecipação de imunização

Roberto Casemiro/Fotoarena/Estadão Conteúdo - 14.6.2021

A volta na produção da CoronaVac, pelo Instituto Butantan, e a aceleração na fabricação da AstraZeneca, pela Fiocruz (Fundação Oswaldo Cruz), somados à chegada dos imunizantes da Pfizer ao país, permitiram que alguns estados e municípios antecipassem o cronograma de vacinação contra a covid-19. O adiantamento das aplicações é um importante passo para diminuir o número de casos graves e morte pela doença.

O infectologista Carlos Fortaleza, professor da Faculdade de Medicina da Unesp, explica que, com a diminuição da taxa de transmissão da covid, até quem não for vacinado vai se beneficiar com a imunidade coletiva.

"O grande impacto das vacinas não será individual e sim coletivo. Quando tivermos uma grande proporção da população vacinada, teremos uma redução imensa da transmissão da covid. É o que chamamos de força de infecção. Quando a força da infecção é grande, temos chance de ficar doentes mesmo vacinados, porque a proteção não é de 100%", diz o infectologista.

"Quando diminuímos a transmissão, diminuímos os números de casos e consequentemente o número de mortos. Não é só a proteção do vacinado, é também daquelas pessoas que não conseguiram se vacinar, porque a circulação do vírus diminuiu", acrescenta.

Controlar a euforia

undefined

Uma das consequências da antecipação foi o aumento da ansiedade das pessoas em voltarem a um ritmo de vida mais próximo do normal. Mas, o professor explica que não pode haver um descontrole, já que não são em todos os lugares do país que o ritmo das aplicações é mais rápido. 

"Não devemos ter euforia, só esperança. A experiência do estudo da efetividade da AstraZeneca, em Botucatu, interior de São Paulo, serve como exemplo. Toda a população adulta foi vacinada e, nas primeiras semanas, houve aumento da covid. As pessoas começaram a se aglomerar em bares e festas antes que o imunizante fizesse efeito", afirma o coordenador do trabalho feito em conjunto entre Unesp e Universidade de Oxford, em Botucatu, interior de São Paulo..

E alerta: "A vacina não é um passaporte para se aglomerar, para ficar livre, para não usar máscara. Isso só é possível com a covid controlada, o que não acontece no Brasil." 

O afrouxamento excessivo do distanciamento pode levar o Brasil a viver um problema como o vivido pelo vizinho Uruguai, exemplifica Fortaleza. "Não podemos ter a euforia do Uruguai. O país está praticamente todo vacinado, mas as pessoas voltaram à vida ao normal e o país segue em situação grave. A aglomeração veio antes do efeito da vacinação."

A volta à vida normal pode demorar um pouco mais, porém o médico confirma que a antecipação da proteção contra a covid-19 é importantíssima. Fortaleza ainda acredita que até o fim do ano poderemos ter a pandemia controlada no Brasil.  

"Acredito que até o final do ano teremos controlado a covid, não erradicado. Ela continuará acontecendo, mas com impacto muito menor nas nossas vidas. Essa expectativa só melhora com a antecipação. É arriscado ter euforia, mas a esperança de ter até o fim do ano a doença controlada, claro que aumenta", completa o médico. 

Últimas