Novo Coronavírus

Saúde Admissão da Anvisa em órgão de inspeção facilita registro de vacina

Admissão da Anvisa em órgão de inspeção facilita registro de vacina

Agência anunciou que foi aceita no PIC/S (Esquema de Cooperação em Inspeção Farmacêutica), iniciativa internacional de investigação farmacêutica 

  • Saúde | Do R7

A Anvisa foi aceita em iniciativa que facilitará troca de informações com 53 países

A Anvisa foi aceita em iniciativa que facilitará troca de informações com 53 países

Claudio Reis/FramePhoto/Folhapress - 10.11.2020

A Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) anunciou nesta terça-feira (1º) que foi admitida como membro do PIC/S (Esquema de Cooperação em Inspeção Farmacêutica), uma iniciativa internacional de investigação farmacêutica que conta com 53 países-membros, entre eles Estados Unidos, Reino Unido e Alemanha.

Segundo o órgão, a admissão facilita a troca de informações entre os países, reduzindo o tempo de análise de produtos, o que pode contribuir para acelerar o processo de certificação da vacina contra a covid-19. "Isso nos coloca em pé de igualdade com o mundo, garantindo produtos de maior qualidade à nossa população, além de facilitar a exportação", afirmou a diretora Meiruse Souza Freitas durante a 22ª Reunião Ordinária Pública da Diretoria Colegiada nesta terça-feira (1º).

Leia também: Pfizer solicita à UE autorização para uso emergencial de vacina

"Essa admissão ganha ainda maior importância neste ano de incerteza, medo e dúvida materializados em infecção viral que tentamos controlar. Num momento em que os servidores da Anvisa são colocados à prova", ressaltou o diretor-presidente Antonio Barra Torres.

A credibilidade da Anvisa foi questionada quando a agência suspendeu os testes da vacina CoronaVac no Brasil após um voluntário que participava dos estudos ter morrido de causa não relacionada aos testes.

“Com a aprovação da Anvisa no PIC / S, outras autoridades podem reconhecer uma certificação da vacina quando concedida pela Anvisa, ou seja, facilitar o processo em outros países e também facilita acordos de confidencialidade, bilaterais e multilaterais”, ressaltou a agência.

Últimas