Saúde Advogados preveem corrida à Justiça pela cápsula contra câncer

Advogados preveem corrida à Justiça pela cápsula contra câncer

Cápsulas são produzidas pela USP de São Carlos, mas a capacidade de produção é limitada

Advogados preveem corrida à Justiça pela cápsula contra câncer

Depois da liberação da fosfoetanolamina sintética para portadores de câncer pelo TJ-SP (Tribunal de Justiça de São Paulo), advogados preveem uma enxurrada de novas ações na Justiça para obtenção das cápsulas da substância. A decisão do presidente José Renato Nalini, publicada na sexta-feira (9), beneficia cerca de 800 pacientes que já obtiveram liminares da Justiça.

As cápsulas são produzidas pela USP (Universidade de São Paulo), no campus de São Carlos, mas a capacidade de produção é limitada. De acordo com a advogada Alexandra Carmelino Zatorre, que já representa cerca de 200 doentes ou familiares, o número de interessados não para de aumentar.

— Todo dia recebo ligações de várias partes do Brasil de pessoas até desesperadas.

Ela espera que a USP tenha condições de atender ao aumento na demanda, já que, para os doentes, a cápsula é "a última chance de sobrevivência e de cura".

TJ libera entrega de cápsulas usadas contra o câncer

Alexandra vai pedir à Justiça que as cápsulas sejam liberadas para todos os pacientes que comprovarem a necessidade por laudo médico, independentemente da necessidade de ação judicial. O advogado Dennis Cincinatus, que levou o caso ao STF (Supremo Tribunal Federal) para obter as cápsulas usadas pela sua mãe, portadora de câncer em estado terminal, também já foi procurado por dezenas de pessoas.

Procurada, a USP São Carlos não se manifestou sobre a decisão dos tribunais. A impossibilidade de atender a uma grande demanda foi uma das razões alegadas pela USP para pedir ao TJ-SP a suspensão das liminares, além do fato de que a substância não tem registro na Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária). Nalini chegou a suspender as liminares, mas voltou atrás após a liberação da fosfoetanolamina pelo STF para uma paciente do Rio de Janeiro.

Em sua decisão, o presidente do TJ recomendou que os pacientes sejam informados de que a substância não é medicamento registrado na Anvisa e não tem eficácia comprovada contra o câncer.

Leia mais notícias de Saúde

Experimente: todos os programas da Record na íntegra no R7 Play